Cinco dos 53 migrantes salvos no Mar Mediterrâneo pelo navio Sea-Watch 3 vêm para Portugal, confirmou ao Observador fonte do Ministério da Administração Interna.

“Num espírito de solidariedade europeia, Portugal, em conjunto com França, Alemanha, Luxemburgo e Finlândia anunciaram  sua disponibilidade para receber este grupo de 40 pessoas”, diz o Ministério da Administração Interna em nota às redações. “Com este gesto, Portugal, França, Alemanha, Luxemburgo e Finlândia testemunham, assim, o seu dever de solidariedade humanitária e o desejo comum de fornecer soluções europeias para a questão da migração e das tragédias humanas que se desenvolvem no Mediterrâneo.”

O Sea-Watch 3 resgatou 53 migrantes junto à costa da Líbia há duas semanas. Ao longo desse tempo, o navio foi impedido de atracar em Itália, até que lhe foi dada essa permissão esta sexta-feira. Dos 53 migrantes a bordo, 13 foram admitidas pelas autoridades italianas por apresentarem problemas de saúde.

Este é um desenvolvimento recente em torno do Sea-Watch 3, embarcação que tem sido amplamente discutida em Itália e que está no centro da polémica decisão do governo italiano de multar entre 10 a 50 mil euros as ONG que transportem migrantes para portos italianos.

A comandante do navio, Carola Rackete, foi detida este sábado. O ministro do Interior de Itália, Matteo Salvini, acusou-a de tentar afundar um barco da polícia. “Um navio que pesa centenas de toneladas tentou abalroar uma lancha da polícia com agentes a bordo, que conseguiram escapar e salvar as próprias vidas. É um ato criminoso, é um ato de guerra”, disse Salvini.

Miguel Duarte. “Quando vejo uma pessoa a morrer afogada não lhe pergunto se tem passaporte. Tiro-a da água”