Rádio Observador

Ordem dos Médicos

Faltam pelo menos 96 obstetras no Norte e Centro do país

A Ordem dos Médicos frisou que, além da falta de quase 100 obstetras, metade dos registados do SNS têm mais de 55 anos, logo, estão dispensados de fazer urgências.

Miguel Guimarães considera que o Norte do país foi uma das regiões mais "desconsideradas"

ESTELA SILVA/LUSA

A Ordem dos Médicos defendeu na segunda-feira que faltam 96 obstetras no Norte e Centro do país, sublinhando que mais de metade dos obstetras do SNS têm mais de 55 anos, logo, estão dispensados de fazer urgências.

“No Hospital de Braga são necessários mais três obstetras com urgência, na Unidade Saúde Local de Matosinhos mais cinco, na Unidade Local de Saúde do Alto Minho mais sete, na Unidade Local de Saúde do Nordeste mais oito. Lembro que Bragança tem apenas quatro especialistas e todos com mais de 55 anos, ou seja, se deixarem de fazer o serviço de urgência externa, a maternidade fecha a urgência”, detalhou Miguel Guimarães aos jornalistas.

O dirigente adiantou que as graves carências de obstetras são sentidas também nos Centros Hospitalares de Entre Douro e Vouga (quatro), de Trás-os-Montes e Alto Douro (seis), Médio Ave (dois), São João, no Porto (seis), Póvoa de Varzim/Vila do onde (sete a 10), Tâmega e Sousa (oito a 10), Gaia/Espinho (três), Tondela Viseu (cinco), Coimbra (15), Cova da Beira (cinco), Baixo Vouga (sete), e ainda no Hospital de Guimarães, que necessita de mais cinco obstetras.

“São números que mostram a dificuldade que estes diretores de serviço e que os médicos que trabalham nestas maternidades têm para assegurar os cuidados que as nossas grávidas precisam (…) Estes médicos têm feito um enorme esforço, têm feito muito mais horas extraordinárias do que aquelas que deviam fazer para manterem a capacidade de resposta. Mas é evidente que estes médicos estão cada vez com mais ‘stress’, precisam de ter mais apoio do Ministério da Saúde”, disse, sublinhando que estes números são ainda provisórios.

No caso do Norte, frisou, estes profissionais foram “completamente desconsiderados” na atribuição de vagas: das 45 vagas dos dois concursos para obstetrícia e ginecologia, apenas cinco vagas fora atribuídas para o Norte do país, que serve cerca de 3,7 milhões de pessoas.

À saída de uma reunião com 15 diretores de serviço de Ginecologia/Obstetrícia e Neonatologia do Norte e Centro do país onde foram discutidas e denunciadas “as graves carências de especialistas” nestas áreas, Miguel Guimarães explicou ainda que à falta de especialistas acresce o problema do envelhecimento da classe médica, que, a curto prazo, pode agravar a situação.

“Mas nós temos uma percentagem, mas muito, muito elevada de médicos com mais de 55 anos. No caso da obstetrícia e ginecologia são mais de 50% com mais de 55 anos e dois terços com mais de 50 anos, o que significa que, a curto prazo, o número de médicos de obstetrícia e ginecologia que se vai reformar vai ser muito elevado. E, portanto, (…) temos que rapidamente começar a atuar”, defendeu.

Questionado pelos jornalistas, Miguel Guimarães afirmou, contudo, que tanto quanto é do conhecimento da Ordem do Médicos, a hipótese de um funcionamento rotativo das maternidades no Norte e Centro do país, à semelhança do que foi discutido em Lisboa, “não foi colocada em cima da mesa”.

O dirigente revelou também que, “se calhar ainda esta semana”, vão ser apresentadas à ministra da Saúde, Marta Temido, mais algumas propostas no sentido de resolver o problema da falta de especialistas, propostas que vão agora ser compiladas e trabalhadas e que saíram da reunião desta segunda-feira.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)