Rádio Observador

Fundo Monetário Internacional

FMI liberta 31,7 milhões de dólares de empréstimo à República Centro-Africana

O conselho de administração do FMI aprovou "um desembolso de 31,7 milhões de dólares" (28,04 milhões de euros)". O acordo de paz "pode constituir uma etapa crucial para o fim da crise".

Neste país quase três milhões de pessoas, metade das quais crianças, têm necessidade de assistência humanitária e proteção

JIM LO SCALZO/EPA

O Fundo Monetário Internacional (FMI) libertou 31,7 milhões de dólares de um empréstimo à República Centro-Africana (RCA), considerando que o acordo de paz entre o Governo e 14 grupos armados “pode constituir uma etapa crucial para o fim da crise”.

O conselho de administração do FMI decidiu esta segunda-feira, no âmbito da sexta revisão do acordo de facilidade alargada de crédito (FAC) com a RCA, “aprovar um desembolso de 31,7 milhões de dólares” (28,04 milhões de euros) a favor do país, considerando ainda os efeitos das “reformas estruturais na despesa pública, a racionalização das taxas para-orçamentais e a melhoria da transparência”, sublinha um comunicado do Fundo.

Com este desembolso, o montante total de crédito concedido pelo FMI à RCA ascende agora a 185,56 milhões de dólares (164,15 milhões de euros), ou 120% da quota-parte da RCA no Fundo.

Mitsuhiro Furusawa, diretor-geral adjunto e presidente interino do FMI, considerou na conclusão dos debates do conselho de administração que “os resultados obtidos pela RCA no quadro do acordo FAC permanecem satisfatórios, apesar da situação securitária e humanitária difícil”.

“Desde a adoção do acordo em julho de 2016, foram conseguidos progressos consideráveis, nomeadamente na estabilização da economia, redução da vulnerabilidade orçamental e melhoria da gestão das finanças públicas”, considerou.

Para Furusawa, “o acordo de paz recentemente concluído pelo Governo e os 14 grupos armados pode constituir uma etapa crucial no sentido do fim da crise em curso”.

“Ao colocar o acento na partilha do poder, a sua aplicação deverá contribuir para melhorar a segurança e estabelecer as condições propícias para um crescimento sustentável e inclusivo”, acrescentou.

As autoridades centro-africanas mostram-se “determinadas” em prosseguir uma política orçamental “compatível com a estabilidade macroeconómica”, reconhece o Fundo.

O orçamento do Estado revisto para 2019 prevê a afetação progressiva de financiamentos suplementares sob a forma de doações a iniciativas importantes das autoridades, relacionadas, nomeadamente, com a implementação do acordo de paz, reforço das forças nacionais de segurança e preparação das eleições de 2020-2021, sublinha ainda o comunicado do FMI.

O financiamento sustentável destas iniciativas obriga a um “esforço redobrado para aumentar as receitas internas, que permanecem insuficientes”, alerta o Fundo.

Neste país classificado como dos mais pobres do mundo pela ONU, quase três milhões de pessoas, metade das quais crianças, têm necessidade de assistência humanitária e proteção, numa população total de 4,5 milhões.

Cerca de 622 mil pessoas estão recenseadas como deslocadas e 590 mil refugiados estão registados nos países vizinhos.

A RCA caiu no caos e na violência em 2013, depois do derrube do ex-Presidente François Bozizé por grupos armados juntos na Séléka, o que suscitou a oposição de outras milícias, agrupadas sob a designação anti-Balaka.

O Governo controla cerca de um quinto do território. O resto é dividido por mais de 15 milícias que procuram obter dinheiro através de raptos, extorsão, bloqueio de vias de comunicação, recursos minerais (diamantes e ouro, entre outros), roubo de gado e abate de elefantes para venda de marfim.

O acordo de paz foi assinado em Cartum no início de fevereiro pelo Governo da RCA e por 14 grupos armados. Um mês mais tarde, as partes entenderam-se sobre um governo inclusivo, no âmbito do processo de paz.

Portugal está presente na RCA desde o início de 2017, no âmbito das missões das Nações Unidas (MINUSCA) e da União Europeia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)