Rádio Observador

PSD

Vice-presidente do PSD Manuel Castro Almeida afasta-se em desacordo com Rui Rio

629

Desiludido com forma como partido é gerido por Rui Rio — sem ouvir os outros membros da direção para tomar decisões —, Manuel Castro Almeida saiu da direção. Demissão concretizada a 20 de junho.

Até agora vice-presidente do PSD, Castro Almeida já foi autarca, deputado e secretário de Estado

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Um dos vice-presidentes do PSD, Manuel Castro Almeida, deixou a atividade política em desacordo com o líder do partido, Rui Rio, noticiou este domingo o jornal Público.

De acordo com o Público, na origem da decisão estará o descontentamento de Manuel Castro Almeida com a maneira “centralista” como Rui Rio lidera o PSD — sem ouvir os outros membros da direção do partido antes de tomar grandes decisões. Castro Almeida explicou entretanto ao jornal que formalizou a “demissão no passado dia 19 em conversa com Presidente e, no dia 20, a renúncia por escrito”. O Observador tentou contactar o ex-vice do PSD que continua por explicar os motivos da sua decisão, mas não foi possível até à publicação deste artigo.

A decisão de Rui Rio de deixar muitos dos grandes nomes do partido de fora das listas para as eleições legislativas — optando essencialmente por jovens, alguns deles desconhecidos da generalidade do público — terá mesmo irritado muitos no círculo mais próximo de Rui Rio. Manuel Castro Almeida terá sido um deles.

Antigo secretário de Estado do Desenvolvimento Regional no governo de Passos Coelho, deputado em três legislaturas e ex-presidente da câmara de São João da Madeira, Castro Almeida era agora um dos seis vice-presidentes de Rui Rio no PSD.

O agora ex-vice-presidente do PSD já tinha vindo a demonstrar algum descontentamento com o funcionamento interno do partido. Em entrevista ao Público e à Renascença no ano passado, admitia a existência de “ruído interno” no partido, que dificultava a “perceção pública das propostas do PSD”.

Mais tarde, em fevereiro deste ano, numa entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios, Castro Almeida afirmava mesmo que “se o PSD não ganhar as eleições é por culpa própria, porque o Governo está a fazer o necessário para as perder”. Mais: “Se não o fizermos é porque somos incompetentes”.

Já na tarde deste domingo, o Expresso acrescentou alguns pormenores sobre a saída de Castro Almeida da direção do PSD.

Segundo o Expresso, Castro Almeida informou Rui Rio da sua decisão num encontro na sede do PSD após as eleições europeias — na qual os sociais-democratas tiveram o pior resultado de sempre —, que foi a última reunião do partido em que participou.

Citando uma fonte próxima de Castro Almeida, o ex-vice-presidente do PSD sentiu uma “desilusão brutal” com o funcionamento do partido, cuja comissão permanente se transformou num “órgão unipessoal” em que os braços-direitos do presidente conhecem as decisões de Rio “pela imprensa”.

No seu comentário semanal, na SIC, o ex-líder do PSD Luís Marques Mendes disse não conhecer “as verdadeiras razões” da saída do social-democrata de quem é próximo. No entanto, Mendes considera que devem ter sido “razões muito fortes”, já que existe uma relação “muito longa pessoal e política” do antigo autarca com Rui Rio.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)