Rádio Observador

Cuidado: está quente

No novo JNcQUOI Asia cabe o Oriente quase todo – e um dragão dourado

Lisboa acaba de ganhar um novo templo de comida asiática onde não faltam pratos típicos de países como China, Japão, Índia ou Tailândia. Conheça o irmão mais novo da família JNcQUOI.

O que interessa saber

Nome: JNcQUOI Asia
Abriu em: Julho de 2019
Onde fica: Av. da Liberdade, 144, Lisboa
O que é: O segundo espaço dedicado à restauração com a assinatura do grupo Amorim Luxury. O irmão mais novo do JNcQUOI original, que abriu uns números acima desta novidade.
Quem manda: O Grupo Amorim Luxury
Quanto custa: Entre 35 a 40€ por pessoa.
Uma dica: Se o “irmão mais velho” desta casa já é um dos restaurantes mais procurados de Lisboa, este será ainda mais concorrido. Faça reserva com antecedência se o quiser visitar.
Contacto: 210 513 000
Horário: Todos os dias, das 12h às 2h, sem paragens
Links importantes: Facebook, Site, Instagram

 

A História

Já lá vai pouco mais de dois anos desde que a Avenida da Liberdade, em Lisboa, ganhou novos motivos para se assumir como a zona mais premium da capital portuguesa. Já tinha as grandes empresas e os seus escritórios, as griffes mais populares e luxuosas mas no capítulo da comida os (poucos) grandes restaurantes que existiam moravam dentro de hotéis — esse bicho de sete cabeças para o público português que, felizmente, parece estar a tornar-se menos estranho. Foi talvez ao perceber isso que a empresária Paula Amorim e o gestor hoteleiro Miguel Guedes de Sousa perceberam que havia uma brecha por explorar e criaram, então, o primeiro JNcQUOI.

Pé ante pé esta casa de comida tradicional portuguesa ultra refinada foi-se afirmando como bem mais do que um mero sítio “para ver e ser visto” e é hoje um valor consolidado, um poiso incontornável para quem procura o receituário nacional feito com mestria e talento, rodeado de bom gosto e uma quota parte de luxo — afinal o grupo a que pertence chama-se Amorim Luxury . Acontece que Guedes de Sousa viveu e fez grande parte da sua carreira entre os melhores hotéis da Ásia e quando chegou a altura de pensar em fazer crescer a marca, a temática gastronómica tornou-se óbvia.

Aproveitando também o facto de haver dezenas de asiáticos a calcorrear a Avenida da Liberdade todos os dias, decidiram apostar em força na comida do Oriente mas fazendo-o de uma forma muito particular: puxando pela portugalidade que marcou um sem fim de nações nesse lado do mundo (e muito mais). Isto traduz-se, então, num projeto gastronómico assente no receituário dos países por onde os navegadores portugueses passaram e deixaram/levaram alguma coisa. Japão, China, Índia e Sião (antigo nome da Tailândia) foram alguns dos recantos escolhidos para dar cor e sabor, literalmente, a esta nova casa que pretende dar continuidade ao padrão de qualidade pelo qual o “irmão mais velho” já é conhecido.

A sala de refeições principal deste JNcQUOI Asia onde quem manda é o dragão dourado. ©Diogo Lopes/Observador

O Espaço

O espaço e a decoração do primeiro JNcQUOI foi uma das primeiras coisas que se destacaram quando este abriu ao público pela primeira vez. De repente, feeds de Instagram viram-se inundados por fotografias do enorme esqueleto de dinossauro que ainda hoje adorna a sala de refeições, bem como de pormenores como as bonitos caçarolas em cobre onde vinham servidos alguns pratos, por exemplo. Tudo isto ficou-se a dever ao arquiteto Lázaro Rosa Violán e, como não há melhor cartão de visita que o sucesso, foi ele o mesmo escolhido para dar vida a este JNcQUOI Asia.

Como a cartada do dinossauro já tinha sido usada — e para manter uma linha comum entre os dois projetos –, o arquiteto decidiu substitui-lo por um dragão enorme, meio dourado, que volta a ser figura dominante na sala de refeições. Mas esta casa é demasiado grande para não se falar dos outros recantos.

No total contam-se 950 m2 de restaurante, e ainda todo um labirinto de preparação e conservação alimentar situado um andar mais a baixo. A zona reservada aos clientes divide-se em quatro ambientes distintos: o bar, o restaurante, o sushi-bar e o terraço (todos juntos têm capacidade para cerca de 300 pessoas.)

A zona de bar/lounge que fica logo à entrada desta novidade. ©Diogo Lopes/Observador

Depois de subirmos as escadas que dão acesso à porta principal do restaurante entramos diretos numa zona mais de lounge/bar onde impera o vermelho, os néons, as madeiras e os tecidos ricos que compõem o imaginário chinês. Há os concorridos sofás virados para as janelas circulares e um espaço com mesas soltas que fica colado a uma espécie de “palco” não assumido onde ficará o DJ e as bandas ao vivo que, com regularidade, aqui virão tocar.

Desta zona segue-se então para a tal sala do dragão, zona de refeições principal que em muito parece uma espécie de jardim de inverno com uma claraboia que percorre todo o teto. Esta ilumina, por exemplo, a considerável cozinha aberta, espaço feito à medida de forma a conseguir comportar uma zona para cozinhar dim sums a vapor, outra para tudo o que necessite de wok, mais uma com dois fornos tandoori e até uma outra onde mora um forno especial só para assar patos (!!!). A isto soma-se a robata japonesa, para grelhados na brasa e… já chega. Para mais zonas de confeção de comida é preciso passar para o sushi-bar, um enorme balcão (também há mesas mais privadas) onde pode ficar a provar as ofertas gastronómicas deste JNcQUOI Asia.

Finalmente há o terraço, espaço ao ar livre, também ele com cadeiras e mesas — até um pagode chinês tem, para eventos privados — que tanto podem servir para beber um copo antes da refeição ou mesmo para comer um menu completo.

A zona do sushi-bar também se assemelha a um jardim de inverno, com muita luz natural. ©Diogo Lopes/Observador

A Comida

Tempura e Vindaloo — meio mundo já deve saber que estas especialidades, japonesa e indiana, respetivamente, nasceram da influência portuguesa. Falamos de técnicas de confeção que foram assimiladas por outras culturas e que acabaram por se tornar quase símbolos gastronómicos do povo que as tornou suas. Casos deste género também aconteceram com produtos em si e reforçam a ideia de que os portugueses moldaram a história culinária do mundo de forma inegável. É precisamente com o objetivo de homenagear tudo isto que o JNcQUOI Asia definiu as bases daquilo que é hoje a sua carta.

Entre pratos quentes, sushi, cocktails e pastelaria encontramos um sem fim de receitas e ingredientes que, de uma forma ou outra, foram “tocados” pelos navegadores portugueses e/ou fazem parte dos sítios por onde eles passaram. Na prática isto traduz-se numa carta extensa dividida em oito categorias: sushi e sashimi (este departamento está entregue ao talentoso Miguel Bértolo, sushiman português que conquistou o segundo lugar na competição Edomae Sushi do World Sushi Cup em 2017); dim sums; sopas e saladas; spring rolls, tempura e chamuças; wok; robata e tandoori; caris; e clássicos — aos quais se juntam os acompanhamentos, couvert e sobremesas, claro.

O delicioso pato com molho de ananás e tamarindo, mais conhecido como Ped Yaang Naam Markham. ©Diogo Lopes/Observador

Não faltam nigiris generosos como os de camarão (10€ duas unidades) ou os de carapau (6€/2 uni.), muito menos os gunkans, como os de ovas de salmão (19€/2 uni.). Na categoria dos dim sums encontramos sugestões como os de cogumelos (5€/ 3 uni) ou os “har gow”, que levam uma mistura de camarão com castanha d’ água (12€/3 uni), mas há muito mais. Na zona dos pratos mais substanciais encontra clássicos como o nasi goreng (20€) ou o chow mein (16) mas também sugestões menos comuns como o frango grelhado com molho miso (25€), o delicioso pato assado cantonês (25€) ou até um dos vários caris que tem à escolha. O verde de frango, por exemplo (24€). Como sobremesas tem o altamente viciante cheesecake com bolachas de canela e gengibre (9€) ou sticky rice com manga (9€).

Neste género de coisas não há como visitar, escolher e provar. Contudo, o que importa assinalar é que a Ásia que aqui lhe chega ao prato é genuína, não vem de modas nem latas. O trabalho do chef António Bóia e do seu braço direito, Mário Esteves, não foi fácil — este último, por exemplo, passou vários meses a estagiar em restaurantes do outro lado do mundo — mas orienta-se pelas mesmas regras que deram fama à comida do primeiro JNcQUOI — qualidade do produto acima de tudo. Para se ter uma noção, o leite de coco que usam é feito pelos próprios com a ajuda de uma máquina própria para o efeito, assim como todas as massas utilizadas na feitura dos dumplings ou dos pães naan, por exemplo. Esteves chegou a contar ao Observador o quão difícil foi encontrar “tipos de amido que cá, em Portugal”, nem sequer são comercializados.

Pormenor da sala de refeições e uma seleção de nigiris feita pelo sushiman Miguel Bértolo. ©Diogo Lopes/Observador

Há muito trabalho nesta cozinha e outra prova disso é também o facto deste JNcQUOI Asia até ter contratado cozinheiros de muitos dos países que inspiram todo o projeto (existem nestes corredores 12 nacionalidades), estando nessa lista o perito chinês em dim sums que foi convencido a mudar-se para Portugal à conta deste projeto, por exemplo.

“Cuidado, está quente” é uma rubrica do Observador onde se dão a conhecer novos restaurantes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)