Para Jerónimo de Sousa, é “legítimo” que o PS tente chegar a uma maioria absoluta nas legislativas de outubro, libertando-se, assim, da chamada geringonça. “É legítimo que o Partido Socialista tente o melhor resultado possível, designadamente a maioria absoluta. O que nós dizemos é que esse objetivo que o Partido Socialista tem visa fundamentalmente libertar-se das circunstâncias que levaram à solução política“, disse o líder comunista, em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF.

Frisando que “o PS no essencial não mudou” — o que mudou foram “as circunstâncias” — Jerónimo de Sousa considera que há, no dentro do partido, “vozes desgarradas” que defendem uma libertação “dos bloqueias e da inércia”. Mas “bloqueios em que sentido? Porque insistimos em matérias em que o Partido Socialista não estava, ao princípio, disponível para considerar?”

Além das críticas ao PS — que, diz, bloqueou avanços mais significativos — o líder dos comunistas lança algumas farpas ao Bloco de Esquerda, tentando distanciar-se do seu parceiro na geringonça. “Temos diferenças. Pessoalmente tenho sempre uma dúvida — não é uma dúvida mal intencionada, mas qual é o projeto, qual a ideologia do Bloco de Esquerda? É uma interrogação.” Ainda sobre a convivência entre os três partidos nos últimos quatro anos, Jerónimo de Sousa lembrou que “os encontros, as reuniões, as conversas, eram sempre bilaterais. Não eram multilaterais”.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, também não ficou de fora. Sobre a falta de investimento público “a responsabilidade principal é do primeiro-ministro”. “Mas, de qualquer forma, Centeno tem tido este papel contraditório e que acaba por levar a que não se resolvam tanto os problemas.”

Jerónimo de Sousa não responde diretamente se um dos objetivos do PCP para as eleições de outubro é impedir uma maioria absoluta do PS, embora refira que “sempre que existiram maiorias absolutas houve sistematicamente uma desvalorização da própria Assembleia da República”.

Questionado sobre se o PCP estaria disponível para fazer parte de um governo do PS, refere: “Seremos governo quando o povo português quiser.”