Documentos legais que acabam de ser divulgados em Nova Iorque reforçam ideia de que Donald Trump, ao contrário do que sempre garantiu, participou ativamente em contactos com o advogado na altura em que este, durante a campanha presidencial, tratou dos pagamentos à atriz porno Stormy Daniels — a mulher que alega ter tido um caso amoroso com o atual Presidente dos EUA, casado com Melania Trump. Mas serão estes documentos suficientes para reabrir a investigação que foi encerrada sem que se provasse o envolvimento de Trump? Provavelmente, não.

Os documentos mostram que Donald Trump falou várias vezes ao telefone nos dias que antecederam os pagamentos a Stormy Daniels, feitos pelo advogado Michael Cohen, que hoje está preso a cumprir pena de três anos (precisamente por causa deste caso) mas que há muito argumenta que foi sob a orientação de Trump que fez esses pagamentos. Mas o processo contra Trump, que escrutinou o envolvimento de Trump neste caso, já foi encerrado, sem consequências. E, segundo o The New York Times, não é provável que o caso seja reaberto.

O advogado atual de Trump, Jay Sekulow, reagiu de forma direta, ao The Washington Post: “caso encerrado”. Já Michael Cohen garantiu, num comunicado enviado a partir da prisão onde se encontra, a norte de Nova Iorque, que “eu e membros da Organização Trump fomos instruídos pelo Sr. Trump para tratar do tema Stormy Daniels, incluindo para fazer o pagamento para silenciar”. O facto de a investigação a Trump, a este respeito, ter sido fechada sem acusação formal “deve ser motivo de grande preocupação para o povo americano”, defende Cohen.

As novas revelações que chegaram à imprensa norte-americana indicam que no dia anterior àquele em que foram feitos os pagamentos a Stormy Daniels — no valor de 130 mil dólares — Trump esteve em contacto próximo com Cohen. Nesse dia, os dois falaram ao telefone duas vezes. Aliás, menos de meia hora depois de um dos telefonemas entre Trump e Cohen, o advogado iniciou o processo de abrir uma conta bancária — a mesma conta bancária de onde saiu o dinheiro que, depois, seguiu para a atriz porno.

E comprova-se, também, nestes documentos agora revelados, que Cohen e Trump também falaram ao telefone no dia a seguir ao pagamento, embora não se saiba qual foi o conteúdo da conversa. Para o The New York Times, porém, estas revelações colocam em causa a ideia, alimentada por Trump, de que Cohen agiu por sua iniciativa nos pagamentos à atriz porno — e que o então candidato presidencial não fazia ideia do que se estava a passar.