Rádio Observador

Música

Trump indignado com governo sueco: “Desiludiram a comunidade afro-americana. Deem ao A$AP Rocky a sua LIBERDADE”

541

O presidente dos EUA disse estar "muito desiludido" com o primeiro-ministro sueco, depois de lhe pedir para ajudar na libertação do rapper e cantor americano, sem sucesso. A Suécia já respondeu.

Redferns

Algumas horas depois de as autoridades suecas terem revelado que o popular rapper e cantor norte-americano A$AP Rocky, detido em Estocolmo, foi formalmente acusado pelo crime de agressão com ofensa à integridade física, Donald Trump reagiu. O presidente dos Estados Unidos da América publicou duas mensagens na sua conta oficial na rede social Twitter, nas quais afirmou estar “muito desiludido” com o primeiro-ministro sueco Stefan Löfven por este ter sido “incapaz de agir” e pediu: “Deem ao A$AP Rocky a sua LIBERDADE [sic]”. No primeiro tweet, Trump escreveu:

A Suécia desiludiu a nossa comunidade afro-americana nos Estados Unidos. Vi os vídeos do A$AP Rocky [publicados pelo artista na sua conta oficial de Instagram] e ele estava a ser seguido e assediado por tipos que queriam criar problemas. Tratem os americanos de forma justa.”

Já na segunda mensagem, publicada logo de seguida, o presidente dos Estados Unidos da América prosseguiu: “Deem ao A$AP Rocky a sua LIBERDADE. Fazemos muito pela Suécia mas parece que o contrário não acontece. A Suécia deveria focar-se no problema que tem de verdadeiros crimes!” As duas mensagens terminavam com a hashtag #FreeRocky.

O cantor e rapper norte-americano, que já atuou em Portugal (há um ano, na edição de 2018 do festival portuense NOS Primavera Sound) e é um dos mais populares no seu país, foi detido após ter circulado na internet um vídeo em que surgia a agredir uma pessoa nas ruas de Estocolmo.

Rakim Meyers, nome de batismo do rapper e cantor de 30 anos, alegou ter agido apenas em autodefesa. Para o provar, publicou uma série de vídeos na sua conta de Instagram registados momentos antes das agressões, nos quais era ouvido a queixar-se de que a sua comitiva estava a ser perseguida por “drogados” que os seguiram “por quatro quarteirões”, garantindo perante a câmara que “não queria problemas”.

Sensibilizado pelo também rapper e cantor Kanye West — um dos seus apoiantes com maior notoriedade no mundo das artes e da música — e pela sua mulher Kim Kardardashian, Donald Trump estabeleceu contacto com o Governo sueco. Após a primeira chamada, no passado sábado, escreveu no Twitter: “Acabei de ter uma chamada muito bom com o primeiro-ministro sueco Stefan Löfven, que me assegurou que o cidadão americano A$AP Rocky será tratado de forma justa. Do mesmo modo, assegurei-lhe que o A$AP viajar não representava um risco e ofereci-me para pagar pessoalmente a sua fiança, ou algo em alternativa”.

A satisfação inicial de Trump contrastou com a desilusão agora expressa, na sequência da formalização das acusações ao cantor e rapper norte-americano. O presidente dos EUA refere que viu “os vídeos” que provam que o artista estava a ser “seguido e assediado” nas ruas de Estocolmo, mas as autoridades suecas terão em sua posse vídeos nunca disponibilizados ao público, registados em câmaras de videovigilância, como já explicou Daniel Suneson, procurador do Ministério Público sueco.

Em resposta aos novos tweets de Donald Trump, já esta sexta-feira, um porta-voz (não identificado) afirmou, através de mensagem escrita telefónica (SMS) citada pela agência Reuters, que “a Suécia e o primeiro-ministro Stefan Löfven foram muito claros no diálogo que tiveram quer com a Casa Branca quer diretamente com o presidente americano: toda a gente na Suécia é igual perante a lei e o governo não pode interferir em processos legais” dos tribunais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)