Rádio Observador

Proteção Civil

Secretário de Estado responsabiliza Proteção Civil pela compra de kits inflamáveis

5.778

José Artur Neves desmente que o governo tenha coordenado a aquisição dos kits inflamáveis. Contrato mostra que a compra das golas foi autorizada, aprovada e assinada pelo presidente da Proteção Civil.

José Neves, secretário de Estado da Proteção Civil (primeiro à direita), desmente que o governo tenha coordenado compra dos kits inflamáveis distribuídos pela Proteção Cívil

Paulo Cunha/LUSA

“Os contratos aplicados e as condições de seleção dos concorrentes são da responsabilidade da Autoridade Nacional de Proteção Civil e esse trabalho foi desenvolvido — e seguramente que do inquérito que foi mandado instruir por parte do senhor ministro resultarão as conclusões”, disse José Artur Neves, este domingo, em declarações aos jornalistas.

O secretário de Estado reconhece que o gabinete que dirige “acompanhou este processo” por ser “uma orientação política emanada do próprio Conselho de Ministros”, no âmbito do projeto da ‘Aldeia Segura, Pessoas Seguras, e recorda que “teve inclusivamente uma candidatura a fundos comunitários”.

Assegura, no entanto, que “todo o processo de seleção dos concorrentes, de definição de critério de seleção desses concorrentes e o modelo de concurso, é naturalmente da responsabilidade da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil”.

O Jornal de Notícias tinha noticiado este domingo, com base no contrato de aquisição dos equipamentos, que o secretário de Estado da Proteção Civil tinha não só acompanhado mas coordenado todo o processo de compra dos polémicos kits de proteção. Segundo o JN, Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil só teve de pagar os kits, que custaram 165 mil euros mais IVA (202 mil euros no total).

Na verdade, estão em causa dois contratos distintos. No primeiro caso, no valor de 102 mil euros mais IVA, a Proteção Civil comprou 70 mil golas, que se revelaram inflamáveis e que o Jornal de Notícias diz terem sido comprados acima do valor de mercado. Nas disposições finais do documento, é possível verificar que o procedimento por consulta prévia, a prestação dos serviços, a minuta e a celebração do contrato foram possíveis através dos despachos do presidente da Proteção Civil, o tenente-general Carlos Mourato Nunes.

No segundo caso, no valor de 165 mil euros mais IVA, a Proteção Civil adquire 15 mil kits de autoproteção que visa sensibilizar as populações, como folhetos e material de sinalização. Mas aqui, já foram despachos do secretário de Estado José Artur Neves que aprovaram o procedimento por consulta prévia, adjudicaram a prestação dos serviços, aprovaram a minuta e autorizaram a celebração do contrato.

O ministro da Administração Interna ordenou este sábado a abertura de um “inquérito urgente” à distribuição dos 15 mil kits por causa de “aspetos contratuais”, depois de o JN noticiar que as golas inflamáveis que integravam os kits custaram mais do dobro do preço de mercado. A Foxtrot Aventura, empresa que forneceu o material, garante que o preço se justifica pela urgência do pedido. O inquérito vai ser conduzido pela Inspeção Geral da Administração Interna.

Atualizado às 12:35 com desmentido do secretário de Estado da Proteção Civil e às 17:10 com as referências dos contratos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)