A Proteção Civil pagou pelo menos um euro a mais por cada uma das 70 mil golas antifumo inflamáveis fabricadas pela empresa Foxtrot Aventuras, no âmbito dos programas “Aldeia Segura” e “Pessoas Seguras”. O Jornal de Notícias nota que cada gola custou 1,80 euros, mas, tendo feito uma consulta ao mercado, constata que o valor por cada unidade, também de poliéster, fica entre 63 e 74 cêntimos (já com IVA). No total, as golas custaram 125 mil euros.

A notícia foi avançada este sábado, dia em que o ministro da Administração Interna (MAI) fez saber que ordenou a abertura de um “inquérito urgente” à distribuição dos kits em causa, por causa dos “aspetos contratuais”. O inquérito vai ser conduzido pela Inspeção Geral da Administração Interna. Em comunicado, o MAI diz ainda que “face às notícias publicadas sobre aspetos contratuais relativamente ao material de sensibilização”, Eduardo Cabrita pediu também esclarecimentos à Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil.

Ouvido pelo JN, Ricardo Peixoto Fernandes, dono da empresa que forneceu os kits e as golas, por um total de 328 mil euros, garante que os preços “foram mais altos, porque era um prazo curto e eram muitas peças”.

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil disse ao JN que foram convidadas ainda as empresas Edstates (de Fafe), Mosc (de Póvoa do Lanhoso), Codelpor (de Benavente) e Brain One (de Arouca), mas nenhuma delas apresentou propostas.

O custo das golas é mais um elemento de polémica num caso que vai acumulando problemas, depois de ter sido noticiado que as golas são inflamáveis e não evitam a inalação de fumo e que a empresa que produziu os materiais pertence ao marido da presidente da Junta de Freguesia de Langos, no concelho de Guimarães, eleita com apoio do PS.

Distribuídas desde o verão de 2018 em várias aldeias em zonas de risco, no âmbito dos programas “Aldeia Segura” e “Pessoas Seguras”, as golas são compostas a 100% de poliéster, material altamente inflamável. Apesar de terem sido apresentadas à população como integrando um kit de proteção contra incêndios, a Proteção Civil nega, no entanto, ao Observador que servissem de máscara de proteção, garantindo que as golas foram distribuídas apenas para sensibilizar as populações.

Questionado pelo Observador sobre o material usado para estas golas, o proprietário da Foxtrot, Ricardo Fernandes, explicou que propôs inicialmente “um material ignífugo, de forma a ser resistente ao fogo, mas não quiseram porque era mais caro”. No mínimo, “seria um valor muito mais elevado, no mínimo mais do dobro do valor”.