Rádio Observador

Proteção Civil

Golas inflamáveis custaram mais do dobro à Proteção Civil. MAI ordena inquérito “urgente”

11.198

Os equipamentos tiveram um custo de 1,80 euros por unidade, mas o valor de mercado fica entre 63 e 74 cêntimos. Empresa que os produziu diz que custo se deve à pressa. MAI ordena inquérito "urgente".

A Proteção Civil pagou pelo menos um euro a mais por cada uma das 70 mil golas antifumo inflamáveis fabricadas pela empresa Foxtrot Aventuras, no âmbito dos programas “Aldeia Segura” e “Pessoas Seguras”. O Jornal de Notícias nota que cada gola custou 1,80 euros, mas, tendo feito uma consulta ao mercado, constata que o valor por cada unidade, também de poliéster, fica entre 63 e 74 cêntimos (já com IVA). No total, as golas custaram 125 mil euros.

A notícia foi avançada este sábado, dia em que o ministro da Administração Interna (MAI) fez saber que ordenou a abertura de um “inquérito urgente” à distribuição dos kits em causa, por causa dos “aspetos contratuais”. O inquérito vai ser conduzido pela Inspeção Geral da Administração Interna. Em comunicado, o MAI diz ainda que “face às notícias publicadas sobre aspetos contratuais relativamente ao material de sensibilização”, Eduardo Cabrita pediu também esclarecimentos à Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil.

Ouvido pelo JN, Ricardo Peixoto Fernandes, dono da empresa que forneceu os kits e as golas, por um total de 328 mil euros, garante que os preços “foram mais altos, porque era um prazo curto e eram muitas peças”.

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil disse ao JN que foram convidadas ainda as empresas Edstates (de Fafe), Mosc (de Póvoa do Lanhoso), Codelpor (de Benavente) e Brain One (de Arouca), mas nenhuma delas apresentou propostas.

O custo das golas é mais um elemento de polémica num caso que vai acumulando problemas, depois de ter sido noticiado que as golas são inflamáveis e não evitam a inalação de fumo e que a empresa que produziu os materiais pertence ao marido da presidente da Junta de Freguesia de Langos, no concelho de Guimarães, eleita com apoio do PS.

Distribuídas desde o verão de 2018 em várias aldeias em zonas de risco, no âmbito dos programas “Aldeia Segura” e “Pessoas Seguras”, as golas são compostas a 100% de poliéster, material altamente inflamável. Apesar de terem sido apresentadas à população como integrando um kit de proteção contra incêndios, a Proteção Civil nega, no entanto, ao Observador que servissem de máscara de proteção, garantindo que as golas foram distribuídas apenas para sensibilizar as populações.

Questionado pelo Observador sobre o material usado para estas golas, o proprietário da Foxtrot, Ricardo Fernandes, explicou que propôs inicialmente “um material ignífugo, de forma a ser resistente ao fogo, mas não quiseram porque era mais caro”. No mínimo, “seria um valor muito mais elevado, no mínimo mais do dobro do valor”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)