Rádio Observador

Aliança Renault-Nissan

Renault negoceia divórcio com Nissan, segundo WSJ

Para retomar as negociações de fusão com a FCA, a Renault está na disposição de reduzir a percentagem de 43,4% que detém na Nissan, segundo uma notícia publicada pelo Wall Street Journal.

A Renault e a Nissan têm estado envolvidas em conversações visando a redução da percentagem que os franceses detêm no construtor nipónico, de acordo com o Wall Street Journal (WSJ). O objectivo é permitir à marca gaulesa retomar as negociações com a Fiat Chrysler Automobiles (FCA), com vista à fusão 50%-50% que esteve em cima da mesa na primeira metade do ano. Na altura, a fusão não avançou porque não interessava à Nissan, que obviamente sentia que ia ficar numa situação ainda mais fragilizada quando integrada num grupo muito maior, mas também porque o Estado francês impediu a Renault de extremar posições, numa tentativa – que muitos vêem como vã – de salvar a Aliança Renault-Nissan.

Em relação à estratégia para o futuro do construtor francês, Max Warburton, analista da Bernstein, publicou no Automotive News Europa uma curiosa carta aberta (que pode ver aqui) ao chairman da Renault, Jean-Dominique Senard, aconselhando-o a abandonar a ligação aos japoneses e a vender-lhes os 43,4% que detêm na Nissan por, estima ele, 11 mil milhões de euros.

Afirma Warburton que, “depois de 20 anos de esforços com a Nissan”, desde o dia em que a Renault salvou os japoneses da falência, estes (por uma questão cultural) sempre trabalharam nas sombras para minar o poder que os franceses justamente detinham na marca japonesa. Isto levou Warburton a concluir que a Renault deveria fazer como antes fizeram a Daimler com a Chrysler e com a Mitsubishi, e a Ford com a Jaguar Land Rover e a Volvo: pura e simplesmente vender e cessar a parceria que, segundo ele, está condenada a não funcionar.

A decisão dos franceses em vender parte da quota na Nissan, ou mesmo a totalidade, afigura-se assim como possível, desde que o Estado francês esteja de acordo – o que deverá acontecer face ao mau estado das relações entre Nissan e Renault – e caso os japoneses consigam reunir uma verba desta dimensão. Tanto mais difícil quanto a marca nipónica atravessa uma crise grave em termos comerciais, com forte quebra das vendas e dos lucros – no último ano fiscal, a Nissan teve menos lucros do que a Renault, apesar de vender mais –, o que dificultará reunir investidores.

A última vez que a Nissan, tal como a Mitsubishi, esteve entregue a ela própria, a história não acabou bem. Só não faliram porque alguém (Renault e Daimler), mais bem gerido, lhes colocou a mão por baixo. E só com doses extra de boa vontade é que se pode pensar que, depois de tudo o que foi dito e feito – a começar pela prisão de Ghosn – existe alguma possibilidade de fazer desaparecer a desconfiança entre Renault e a Nissan. Sobretudo, depois de Senard ter afirmado que não pretende beliscar os bens da Renault, ao “oferecer” uma maior percentagem da sua empresa aos japoneses.

Renault e Nissan recusaram comentar ou confirmar as conversações, mas tudo indica que os contactos para mudar a estrutura da Aliança Renault-Nissan começaram em Junho, logo depois das negociações para a fusão com a FCA colapsarem. Quem está ligado ao processo, segundo o WSJ, espera que se chegue a uma base de acordo em Setembro, citando emails trocados entre ambas as partes.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)