Rádio Observador

Rihanna

“É mais fácil conseguir uma AK-47 do que um visto”. A mensagem de Rihanna para Donald Trump

442

Rihanna usou o Twitter para enviar uma mensagem a Trump e refere-se aos tiroteios de El Paso e Dayton como atos de terrorismo. Outras figuras públicas apontam o presidente como incitador do ódio.

Rihanna usou o Twitter para responder a Donald Trump: "Eles constroem um muro para manter os terroristas na América"

AFP/Getty Images

A cantora e empresária natural dos Barbados reagiu, no passado domingo, às declarações feitas pelo presidente dos Estados Unidos no Twitter, na sequência do tiroteio de El Paso que, no dia anterior, causou a morte de, pelo menos, 22 pessoas. Na mensagem, veiculada através das redes sociais Twitter e Instagram, Rihanna não hesitou em chamar aos atos de violência do Texas e do Ohio, mas também ao da Califórnia, no dia 28 de julho, ataques terroristas.

“Usaste mal a palavra ‘terrorismo’, Donald. O teu país teve dois ataques terroristas ao lado um do outro, com horas de diferença, matando quase 30 inocentes. Isto, dias depois de outro ataque terrorista na Califórnia, onde um terrorista foi capaz de arranjar uma espingarda de assalto (AK-47) em Vegas, LEGALMENTE, e de conduzir durante horas até um festival de comida na Califórnia, causando a morte de seis pessoas, incluindo um pequeno bebé!”, escreveu.

Em menos de 24 horas, entre sábado e a madrugada de domingo, dois tiroteios chocaram os Estados Unidos e o mundo. No primeiro, em El Paso, Texas, morreram 22 pessoas, três de nacionalidade mexicana, e outras 26 ficaram feridas. O principal suspeito é Patrick Crusius, de 21 anos, natural do mesmo estado. O atirador poderá ainda ter publicado um texto online onde fala sobre as suas motivações, referindo “a invasão hispânica ao Texas”. Em Dayton, no estado do Ohio, o atirador, abatido pelas autoridades nesse momento, foi descrito como um “jovem homem branco”. Matou, pelo menos, nove pessoas e feriu, pelo menos, 16.

Embora se tenha mostrado solidário com as vítimas e respetivos amigos e familiares, Donald Trump foi alvo de críticas. Na publicação que desencadeou a reação de Rihanna, o presidente descreve o momento de violência em El Paso como “um ato de cobardia” e como “um ato de ódio”. As acusações vão em duas direções — enquanto uns apontam Trump como racista (vaga de críticas que teve início após os comentários dirigidos às congressistas democratas, no mês passado), outros voltam a apelar a alterações nas licenças de porte de arma no país. Beto O’Rourke, candidato às primárias democratas, acusou Trump de alimentar o racismo no país. O senador Bernie Sanders defendeu uma “legislação sensata de controlo de armas”.

“Imaginem um mundo onde é mais fácil conseguir uma AK-47 do que um VISTO. Imaginem um mundo onde eles constroem um muro para manter os terroristas NA AMÉRICA!!!”, referiu ainda Rihanna. “As minhas orações e mais profundas condolências vão para as família e para os entes queridos de todas as vítimas e para as comunidades afetadas e traumatizadas do Texas, da Califórnia e do Ohio! Sinto muito pela vossa perda! Ninguém merece morrer assim! NINGUÉM!”, concluiu a cantora e empresária.

Rihanna não foi a única figura pública a responsabilizar Donald Trump pelos crimes ditos racistas do último fim de semana. “Já temos informação suficiente. Ambos os atiradores são terroristas supremacistas brancos com intenções de matar minorias. A lei foi rapidamente aplicada, mas o que é que TU vais fazer para controlar alguns dos teus apoiantes racistas?”, escreveu a rapper Cardi B, no Twitter.

“Quando condenamos o veneno racista que vem da boca do presidente e apontamos a intolerância das suas políticas, não é uma questão académica, não é um jogo político, tem a ver com vida e morte. O presidente inspira assassinos frequentemente. Ele é parte do problema”, partilhou o cantor John Legend na mesma rede social.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)