Rádio Observador

Hackers

Empresa israelita deteta falha no WhatsApp que permite manipular mensagens. Facebook diz que “é falso”

A Check Point Software Technologies identificou falhas no WhatsApp que permitem a piratas informáticos manipular mensagens. O Facebook diz que "é falso sugerir que existe uma vulnerabilidade".

A Check Point diz que alertou o WhatsApp sobre estas falhas no final do ano passado

picture alliance via Getty Image

A empresa de cibersegurança israelita Check Point Software Technologies identificou vulnerabilidades no WhatsApp que permitem a piratas informáticos manipular mensagens em conversas públicas e privadas, cita a Bloomberg. A 23 de julho, também já tinha sido notícia outra falha de segurança nos documentos partilhados entre utilizadores da aplicação de troca de mensagens.

A empresa israelita Check Point Software diz que os investigadores encontraram três vulnerabilidades que podem permitir a manipulação de conversas. Uma permite mudar a identidade de um dos remetentes nas conversas de grupo, outra permite que se modifique a resposta de outro utilizador a uma mensagem específica e a terceira permite que um dos utilizadores envie uma mensagem supostamente privada para outro participante do grupo, mas que é, na verdadem  pública. Desta forma, quando o utilizador responde esta resposta pode ser visível para todos.

Sobre a falha divulgada esta quinta-feira, Victor Chebyshev, investigador de Segurança da empresa de cibersegurança Kaspersky, diz que “estas falhas na segurança que foram encontradas na app são, de facto, muito preocupantes, uma vez que os utilizadores podem ser humilhados numa conversa de grupo, através de mensagens falsas enviadas pelos hackers“. Apesar dos alertas, o especialista não recomenda que os utilizadores deixem de usar a aplicação.

Apesar destes ‘bugs’ na segurança serem muito perigosos, a verdade é que são muito comuns em qualquer software. Os utilizadores devem ser muito cautelosos ao utilizar a app, principalmente nas conversas de grupo. Em caso de suspeita, os utilizadores devem confirmar com o remetente a autoria das mensagens, numa conversa privada.”

Victor Chebyshev recomenda ainda que os utilizadores se mantenham atentos às atualizações recentes do WhatsApp e “façam o download das novas versões o mais rápido possível, de forma a permanecerem em segurança”.

Um porta-voz do Facebook disse, em comunicado, que reviu este assunto com cuidado há um ano e atesta que “é falso sugerir que existe uma vulnerabilidade com o sistema de segurança do WhatsApp”. “O cenário descrito aqui é o equivalente, em mobile, a alterar uma resposta num segmento de email, para fazer com que pareça um texto que não foi escrito por aquela pessoa. Precisamos de ter em mente que lidar com as preocupações levantadas por estes investigadores pode tornar o WhatsApp menos privado — como termos de armazenar informações sobre a origem das mensagens”, acrescenta.

A Check Point diz que alertou o WhatsApp sobre estas falhas no final do ano passado. A aplicação (que pertence ao Facebook) diz que uma das preocupações foi abordada, mas que as outras duas são difíceis de resolver por causa dos sistema de encriptação das mensagens. O WhatsApp foi comprado pelo Facebook em 2014 numa transação avaliada em 19 mil milhões de dólares.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)