Rádio Observador

Astronomia

Perseidas: a chuva de estrelas que conta uma história de amor e outra de martírio

293

O pico de atividade da chuva de meteoros das Perseidas acontece esta madrugada. Enquanto espera fique a conhecer duas lendas em torno deste fenómeno astronómico.

Perseu usava um capacete da invisibilidade e umas sandálias aladas quando enfrentou a Medusa e lhe cortou a cabeça

Universal Images Group via Getty

Uma manta impermeável, agasalhos e mantimentos é tudo o que precisa para passar uma noite ao relento a ver uma “chuva de estrelas” — neste caso, uma chuva de meteoros das Perseidas. De preferência escolha um local afastado dos centros urbanos, para as luzes das localidades não ofuscarem as estrelas. E, depois, é só esperar até às 22h quando elas começarem a cair apesar de a hora ideal para observar o fenómeno, ser mesmo de madrugada, às 3h, segundo o Observatório Astronómico de Lisboa.

A melhor altura para ver a chuva de meteoros das Perseidas, que vão caindo amiúde de 17 de julho a 24 de agosto, é precisamente na madrugada de 12 para 13 de agosto. A atividade máxima será entre as 3h e as 16h, mas naturalmente que durante a noite cerrada será mais fácil ver as riscas brilhantes que atravessam o céu.

O problema é a Lua, que está quase cheia e só vai desaparecer do céu noturno às 4h39. Se tiver o azar de apanhar um céu nublado, será ainda mais difícil observar esta “chuva de estrelas”, que pode chegar aos 110 meteoros por hora.

Os meteoros que dão origem a este fenómeno são os restos de poeiras e pedaços de cometa da cauda do cometa Swift–Tuttle que passou junto ao Sol em 1992. Quanto a Terra atravessa a órbita do cometa, estes pedaços entram na atmosfera e ficam incandescentes. O resultado são as linhas brilhantes traçadas no céu pelas “estrelas cadentes”.

O cometa tem uma órbita de 133 anos e só se espera que volte a passar perto do Sol em 2125, até lá, todos os meses de agosto, podemos ver uma chuva de meteoros que parece sair da constelação de Perseu — daí o nome.

As constelações de Perseu, Andrómeda e Cassiopeia são centrais nesta história de amor contada pelas estrelas — Observatório Astronómico de Lisboa

Perseu, o herói que salvou Andrómeda

Perseus, Andrómeda e Cassiopeia são três constelações próximas no céu de verão. Mas são também três personagens da mitologia grega, cujas histórias se cruzam: Perseu casou com Andrómeda, filha de Cassiopeia.

De Perseu, um semideus filho de Zeus, diz-se que, a pedido de um rei, cortou a cabeça à górgona Medusa — o monstro que tinha serpentes em vez de cabelos e transformava em pedra quem a olhasse nos olhos.

Quando voltava para casa com a cabeça da Medusa na mão, ouviu uma bela donzela em apuros, Andrómeda. Para a salvar petrificou o monstro Ceto, que a mantinha prisioneira, apresentando-lhe a cabeça decepada. Andrómeda era filha de Cassiopeia e tinha sido feita prisioneira por Posídon — o deus supremo dos mares. Um castigo porque Cassiopeia ousou dizer que a filha era mais bela que as nereidas, as ninfas do mar.

Perseu segura a cabeça da Medusa enquanto ajuda Andrómeda a descer da rocha, no meio do oceano, onde estava presa — Icas94 / De Agostini via Getty Images

As lágrimas de São Lourenço

A chuva de meteoros das Perseidas também são chamadas de lágrimas de São Lourenço, desta vez numa alusão à tradição cristã, mas com uma história bem mais trágica que a do herói Perseus. O pico desta “chuva de estrelas” acontece sempre depois da festividade que assinala a morte de São Lourenço, a 10 de agosto.

Lourenço de Huesca era um diácono que tomava conta dos bens da Igreja. Quando o imperador romano lhe exigiu que entregasse os bens da Igreja, o padre apresentou perante o imperador os fiéis cristãos. Foi condenado à morte pelo imperador furioso. Reza a lenda que enquanto era queimado vivo terá dito: “Podem virar-me agora, deste lado já está bem assado”.

A chuva de meteoros de Perseidas é observada há cerca de dois mil anos. São Lourenço morreu, aos 33 anos, no ano 258. Os dois acontecimentos próximos numa Europa que abria portas ao cristianismo foi a combinação perfeita para se afirmar que o que se via no céu eram as lágrimas do mártir queimado.

Mas até os católicos sabem que tudo isto não passa de uma lenda. “A tradição cristã chama-lhes [às Perseidas] precisamente ‘lágrimas de S. Lourenço’, mas para nós, astrónomos, são meteoros e poeira cósmica”, disse o frei Guy Joseph Consolmagno, diretor do Observatório do Vaticano, citado pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Ambiente

Frango à Covan /premium

Paulo Tunhas

Para uma vasta parte da humanidade ocidental, nada há de mais apetecível do que um certo sentimento de culpa própria. Por estranho que pareça, esse sentimento comporta um notório benefício narcísico. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)