Rádio Observador

Cinema

Filme “Vitalina Varela” do realizador português Pedro Costa ganha o Leopardo de Ouro em Locarno

439

O filme "Vitalina Varela", do realizador português Pedro Costa, ganhou este sábado o prémio mais importante do Festival de Cinema de Locarno (Suíça), o Leopardo de Ouro, anunciou a organização.

O realizador português Pedro Costa, de 60 anos, venceu o principal prémio do Festival de Cinema de Locarno

South China Morning Post via Get

O filme “Vitalina Varela” (2019), do realizador português Pedro Costa, ganhou este sábado o prémio mais importante do Festival de Cinema de Locarno (Suíça), o Leopardo de Ouro, anunciou a organização do festival.

Vitalina Varela, protagonista do filme que leva o seu nome e que conta a sua história, recebeu o prémio para a melhor interpretação feminina.

O cineasta de 60 anos, natural de Lisboa e formado na Escola Superior de Teatro e Cinema do Instituto Politécnico de Lisboa, já tinha recebido um prémio no Festival de Locarno — o de melhor realização com o filme “Cavalo Dinheiro” (2014).

O filme fez a estreia mundial em Locarno, na quarta-feira, e tem garantida distribuição e estreia em 2020, nos Estados Unidos.

Pedro Costa conheceu Vitalina Varela quando rodava “Cavalo Dinheiro”, acabando por incluir parte da história dela na narrativa, mas o novo filme é totalmente dedicado a esta cabo-verdiana de 55 anos.

“Vitalina Varela” é a história de uma mulher que viveu grande parte da vida à espera de ir ter com o marido, Joaquim, emigrado em Portugal. Sabendo que ele morreu, Vitalina Varela chegou a Portugal três dias depois do funeral dele, lê-se na nota de imprensa da produtora, a Optec Filmes.

Desde a estreia, o filme já recebeu vários elogios da crítica a nível mundial, nomeadamente do Hollywood Reporter, que o descreve como “um épico intimista” e “trágico”, considerando que esta nova longa-metragem irá colocar Pedro Costa “num novo patamar de ambiente, forma e narrativa” cinematográfica.

O portal Indie Wire, por seu lado, definiu “Vitalina Varela” como mais uma “visão arrebatadora e magistral de Pedro Costa”.

Por seu turno, o sítio ‘online’ LesInrocks, da revista francesa Les Inrockuptibles, descreve a obra do realizador português como um projeto “entre o documentário e o retrato íntimo”, num ambiente que “intriga pela aridez e beleza plástica”.

Este novo filme de Pedro Costa estará ainda em competição, em setembro, no Festival de Cinema de Toronto, no Canadá, e será apresentado no 57.º Festival de Cinema de Nova Iorque, nos Estados Unidos.

“Tudo é possível até para um velho com um pequeno filme sem dinheiro”, diz o realizador

Em declarações publicadas na página do festival, Pedro Costa reagiu ao prémio, sublinhando que o facto de um filme feito com uma “abordagem não-profissional” ganhar “um prémio num festival tão importante como Locarno significa que tudo é possível até para um velho com um pequeno filme feito sem dinheiro”.

“Para mim é uma grande honra e espero que possa abrir algumas portas para que o filme seja visto em mais partes do mundo”, disse o cineasta português.

Pedro Costa diz que pretende ajudar a que a comunidade cabo-verdiana seja “protegida pelo cinema”. “Não estou a fazer documentários de entrevistas televisivas. Estamos a tentar fazer algo um pouco mais épico”, sublinhou.

De Marcelo a Costa, os parabéns pelo prémio

“Fiel às pequenas e grandes sagas das gentes de Cabo Verde, que em filmes anteriores fomos seguindo na companhia de Ventura, Pedro Costa mantém igualmente uma atenção inabalável às pessoas que filma. O que torna especialmente justo que Locarno tenha distinguido a atriz Vitalina Varela com o prémio de melhor interpretação feminina”, descreveu o Presidente da República, felicitando o cineasta pela conquista. Marcelo Rebelo de Sousa considera ainda que, “se o reconhecimento internacional de um cineasta português é sempre motivo de regozijo, é-o ainda mais quando demonstra que o cinema pode ser empatia intransigente e rigor fulgurante”.

Também o primeiro-ministro recorreu ao Twitter para deixar a sua saudação. “Parabéns ao realizador Pedro Costa pelo Leopardo de Ouro atribuído ao seu filme “Vitalina Varela” no @FilmFestLocarno”, escreveu António Costa. “A internacionalização da cultura portuguesa deve muito ao talento e singularidade do nosso cinema”, referiu o chefe do Governo, realçando ainda que “este prémio é, uma vez mais, prova disso”, acrescentou. “A atenção ao rigor dos detalhes, a comunhão das diferentes linguagens técnicas, como a fotografia e o som, e a entrega dos intérpretes a uma narrativa que questiona a perceção e a realidade, fazem do cinema de Pedro Costa um exemplo a destacar na história do cinema contemporâneo”, foi a mensagem deixada pela Ministra da Cultura, Graça Fonseca.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)