Rádio Observador

Crise dos Refugiados

Espanha propõe receber “Open Arms” em Algeciras, mas a ONG recusa

539

O Governo de Espanha propôs receber o navio humanitário "Open Arms" em Algeciras face à "inconcebível" recusa de Itália em autorizar o desembarque dos 107 migrantes. Mas a ONG recusou.

FRANCISCO GENTICO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Governo de Espanha propôs este domingo receber o navio humanitário “Open Arms” em Algeciras (sul) face à “inconcebível” recusa de Itália em autorizar o desembarque dos 107 migrantes resgatados do mar há 17 dias. Mas a organização não-governamental terá recusado a oferta, segundo noticia o El País.

O chefe do Governo espanhol, Pedro Sánchez, “ordenou hoje a habilitação do porto de Algeciras para receber o navio ‘Open Arms'” devido à “situação de emergência a bordo” e à “inconcebível” atuação das autoridades italianas, anunciou o governo de Madrid num comunicado.

Porém, a ONG diz que a embarcação não está em condições de se dirigir para Espanha. “Não aceitamos Espanha. Não podemos pôr em perigo a segurança e a integridade física dos imigrantes e da tripulação. Necessitamos de desembarcar já”, disse um porta-voz da “Open Arms” citado pelo El País.

O fundador da ONG, Oscar Camps, publicou entretanto no Twitter um mapa em que mostra a distância entre o local onde a embarcação se encontra e o porto de Algeciras, dizendo que a situação é “insustentável”.

“Depois de 26 dias de missão, 17 de espera com 134 pessoas a bordo, uma resolução judicial a favor e 6 países dispostos a acolher, quer que naveguemos 950 milhas, mais cinco dias, até Algeciras, o porto mais longínquo do Mediterrâneo, com uma situação insustentável a bordo?”, questiona o fundador da organização.

Na origem da decisão de Sánchez de abrir o porto está “a inconcebível resposta das autoridades italianas, e em concreto do ministro do Interior, Matteo Salvini, de fechar todos os seus portos, e as dificuldades expostas por outros países do Mediterrâneo Central”, que “levaram Espanha a liderar mais uma vez a resposta a uma crise humanitária”.

O texto frisa que “os portos espanhóis não são nem os mais próximos nem os mais seguros para o ‘Open Arms’, como os próprios responsáveis do navio têm repetido, mas neste momento Espanha é o único país disposto a acolhê-lo no quadro de uma solução europeia”.

“A situação dos migrantes do ‘Open Arms’ causou, desde o primeiro momento, grande preocupação no executivo, cujo propósito foi encontrar a melhor solução comum que, após a receção do navio, prosseguirá com a repartição dos migrantes acordada por seis países membros, entre eles Espanha”, refere ainda o comunicado.

O “Open Arms”, operado pela ONG espanhola Proativa Open Arms, está ao largo da ilha italiana de Lampedusa desde 01 de agosto, quando resgatou 147 migrantes do Mar Mediterrâneo, ao largo da Líbia, mas os dois países mais próximos, Itália e Malta, recusaram-lhe o acesso aos seus portos.

Atualmente, estão 107 migrantes e 19 voluntários a bordo, depois de, no sábado, a Itália ter autorizado a retirada de 27 menores não-acompanhados e de várias operações para retirar do navio pessoas a precisar de assistência médica urgente.

Apesar de, na quinta-feira, seis países europeus – Portugal, Espanha, Alemanha, França, Luxemburgo Roménia – se terem oferecido para receber os migrantes a bordo do navio humanitário, o Open Arms continua sem autorização do ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, para aportar.

No comunicado, Espanha volta a sublinhar “o intenso labor dos navios espanhóis na sua zona de responsabilidade”, que “certificam o cumprimento dos tratados internacionais”, afirmando que “entre 2018 e 2019, os serviços de salvamento marítimo […] resgataram e conduziram a portos espanhóis mais de 60.000 pessoas”.

“Espanha é hoje, com grande diferença, o país da União Europeia que mais resgates realiza no Mediterrâneo”, afirma o comunicado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)