Rádio Observador

Colômbia

Tribunal colombiano ordena captura de ex-líderes das FARC após anúncio de regresso às armas

Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia anunciaram, em vídeo, "uma nova etapa da luta" armada, e o tribunal colombiano revogou a suspensão dos mandados de captura de cinco ex-líderes.

O conflito armado na Colômbia, ao longo de mais de 50 anos, causou mais de 260 mil mortos, quase 83 mil desaparecidos e 7,4 milhões de deslocados

FARC VIDEO / HANDOUT/EPA

O tribunal especial para a paz na Colômbia ordenou a captura de cinco ex-líderes da antiga guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) que anunciaram esta quinta-feira, em vídeo, “uma nova etapa da luta” armada.

Na sequência da promessa, o tribunal revogou “o benefício da suspensão dos mandados de prisão” de Iván Márquez — principal negociador do acordo de paz de 2016 –, Seuxis Paucias Hernández, conhecido como “Jesús Santrich”, Henry Castellanos Garzón (“El Paisa”), José Vicente Lesmes (“Walter Mendoza”) e José Manuel Sierra Sabogal (“Zarco Aldinever)”.

Depois de mais de um ano de paradeiro desconhecido, o ex-número dois das FARC e principal negociador do acordo de paz de 2016, Iván Márquez, reapareceu num vídeo esta quinta-feira com outros ex-líderes do grupo, anunciando o regresso às armas.

Anunciamos ao mundo que começou a segunda Marquetalia (local de nascimento das FARC), sob o suporte do direito universal que assiste todos os povos do mundo a levantarem armas contra a opressão”, afirmou Iván Márquez, denunciando uma “traição” do Estado ao pacto de 2016.

No mesmo dia, a União Europeia (UE) afirmou que o seu compromisso “com o processo de paz é e continua a ser inabalável”.

A porta-voz da UE para a Política Externa, Maja Kocijancic, afirmou em comunicado que a decisão de vários ex-ativistas das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) de se retirarem “do processo de paz ameaça desfazer os importantes progressos alcançados nos últimos anos”, mas considerou que é “uma decisão de um pequeno grupo”.

O conflito armado na Colômbia, que envolveu guerrilhas, grupos paramilitares, forças do Governo e narcotraficantes ao longo de mais de 50 anos, causou mais de 260 mil mortos, quase 83 mil desaparecidos e 7,4 milhões de deslocados.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)