Rádio Observador

Turismo

Medfest. Discutir o turismo gastronómico sustentável e mediterrânico

Esta quinta-feira, em Tavira, acontece a Conferência Internacional do Turismo Gastronómico Sustentável e há muito para conversar sobre o futuro de um turismo menos de massas e mais autêntico.

Getty Images/iStockphoto

Muitos já terão ouvido falar da famosa Dieta Mediterrânica mas poucos, provavelmente, conseguirão enumerar os fatores que a podem transformar em algo que vá para lá das nossas mesas. A comida é muito mais que uma simples fonte de nutrientes ou prazer — é um canal que veicula cultura, inovação, ciência ou economia — e foi com isto em conta que oito países mediterrânicos (Portugal, Espanha, França, Itália, Grécia, Chipre, Eslovénia e Croácia) decidiram juntar-se e criar o programa europeu Medfest, uma iniciativa que pretende unir esforços de forma a potencializar a tal Dieta Mediterrânica e transformá-la numa rota turística que valoriza cultura, economia e sustentabilidade.

Há poucos dias, na Universidade de Faro reuniram-se 22 “players” dos setores público e privado da região do Algarve em torno da conferência  “Reflexões Sobre Turismo Económico Sustentável” e esta quinta-feira, 5 de setembro (dura todo o dia), na Pousada de Tavira, surge nova reunião, a Conferência Internacional sobre Turismo Gastronómico Sustentável, que pretende perceber de que forma se pode fazer crescer o conceito de Turismo Gastronómico Sustentável e valorizar, por exemplo, ideias já existentes no seio dos oito países Medfest como a inovadora rota gastronómica mediterrânica que liga Lisboa a Tavira.

Na tal primeira reunião que decorreu na semana passada, 7 representantes do setor privado (envolvidos com experiências de turismo gastronómico como a restauração ou hotelaria) e 13 de instituições públicas governamentais como a Direção Regional de Agricultura e Pesca (Drap), a Universidade do Algarve (UAlg) ou a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve (CCDR), por exemplo,  discutiram estratégias para o futuro do turismo gastronómico da região e debateram possíveis consensos para a definição de Turismo Gastronómico Sustentável (TGS) e outros conceitos como o de experiência gastronómica de turismo sustentável (está “assente no uso dos recursos do território, na produção e no consumo de produtos locais; nos saberes e práticas de uso dos alimentos que valorizam a ação intergeracional de salvaguarda e promotora da cultura da região”).

Esta primeira fase de discussão pretendeu desenvolver estratégias e conceitos para serem utilizados como âncora de um turismo menos virado para as massas e mais próximo da autenticidade e exclusividade no Algarve. O que o evento desta quinta-feira pretende fazer é pegar nessas conclusões e estratégias e inseri-las num contexto de debate internacional.

Ao longo de todo o dia, portanto, vão decorrer uma série de palestras e conversas com nomes importantes que representarão todos os oito países envolvidos no evento (e não só). Portugal será representado pelo chef Vítor Sobral, por exemplo, mas o professor Greg Richards, da Universidade de Breda, na Holanada, também marcará presença. Também está programado uma conversa onde vários operadores turísticos, por exemplo, irão partilhar a sua experiência enquanto membros ativos da promoção do turismo sustentável assente nos valor da tal Dieta Mediterrânea.

Esta Conferência é o culminar dos três anos de Medfest e dela nascerá uma estratégia final para a continuação do projeto nos próximos anos. Também marcará o arranque oficial da VII Feira da Dieta Mediterrânica, evento que durará até domingo, dia 9 de setembro, e que envolve mostras de pequenos produtores da região, sugestões de comes e bebes bem como concertos de artistas como Camané, Sérgio Godinho, Manuela Azevedo, Pedro Abrunhosa, a fadista Katia Guerreiro e até a espanhola Silvia Perez Cruz.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)