Rádio Observador

Brexit

Parlamento britânico suspenso a partir da noite desta segunda-feira. “Brexit sem acordo seria falha de Estado”, diz Johnson

Boris esteve reunido com o PM irlandês. "Vamos ter de regressar à mesa de negociações", afirma Leo Varadkar. Entretanto o Presidente da Câmara dos Comuns demitiu-se do cargo de speaker.

Durante o encontro entre os dois primeiros-ministros, o governo britânico confirmou que o parlamento vai ficar suspenso até 14 de outubro

Niall Carson

Até ao fim da noite desta segunda-feira, o parlamento britânico vai iniciar um período de suspensão que só termina a 14 de outubro. Downing Street, a residência oficial do primeiro-ministro inglês, confirmou a notícia no mesmo dia em que Boris Johnson foi até à Irlanda para reunir com o homólogo Leo Varadkar. Entretanto, John Bercow, Presidente da Câmara dos Comuns, anunciou a sua demissão do cargo de speaker do parlamento.

Ainda durante a manhã, o primeiro-ministro irlandês disse a Boris Johnson que uma simples saída da Europa simplesmente “não existe” e que a história do Brexit “não vai acabar” depois do 31 de outubro — o prazo para deixar a União Europeia que Johnson não quer deixa cair.

LeoVaradkar fala num regresso à estaca zero e diz que um no deal vai trazer problemas tanto para os cidadãos britânicos como para os irlandeses. “Vamos ter de regressar à mesa de negociações. Quando o fizermos, os primeiros e únicos pontos na agenda vão ser os direitos dos cidadãos, a estabilidade financeira e a fronteira da Irlanda. Tudo problemas que ficaram resolvidos no acordo de saída que fizemos com Theresa May, um acordo feito em boa fé por 28 governadores”, apontou o líder irlandês.

Para o primeiro-ministro inglês, a decisão está tomada: “Tal como o senhor, eu analisei cuidadosamente a saída sem acordo e avaliei as suas consequências”, respondeu a Varadkar. “Um Brexit sem acordo seria uma falha de Estado”, acrescentou Boris Johnson.

Durante a conferência de imprensa no final da reunião, o primeiro-ministro britânico foi questionado sobre o backstop — a solução que pretende evitar uma fronteira física com a vizinha República da Irlanda e a Irlanda do Norte (que faz parte do Reino Unido) e que Johnson quer eliminar. “Vamos produzir ideias com os nossos amigos e parceiros para levar isto avante”, declarou.

Quanto à suspensão de cinco semanas do parlamento, na agenda parlamentar desta segunda-feira ainda haverá debates sobre legislação para a Irlanda do Norte e uma proposta de eleições antecipadas feita pelo governo, mas que a oposição já disse que pretende inviabilizar. A suspensão significa ainda que, até 14 de outubro, não vai haver votos para eleições gerais.

O governo britânico obteve autorização da rainha Isabel II com o objetivo de “apresentar uma nova agenda legislativa nacional ousada e ambiciosa para a renovação do país após o Brexit” a 14 de outubro, invocou o primeiro-ministro. Duas ações judiciais para bloquear a suspensão foram rejeitadas nas últimas semanas em tribunais de Edimburgo e Londres, sendo esperado que os recursos sejam analisados a 17 de setembro pelo Tribunal Supremo, a última instância judicial britânica. Um terceiro caso está em curso num tribunal de Belfast, tendo uma audiência sido agendada para 16 de setembro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcasanova@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)