Rádio Observador

Brexit

“Ordem!” Dez anos depois, John Bercow vai deixar de ser o “speaker” do Parlamento britânico

541

Tentou moderar os ânimos no Parlamento britânico nos últimos dez anos, num período especialmente crispado da política do país, devido ao Brexit. Esta segunda-feira anunciou a demissão, emocionado.

Getty Images

Ainda não se sabe a data, mas o fim está anunciado. O britânico John Bercow, que teve a quase impossível tarefa de moderar os ânimos enquanto speaker e Presidente da Câmara dos Comuns nos últimos dez anos, anunciou que não só vai resignar ao cargo como vai mesmo abandonar o Parlamento britânico, o mais tardar a 31 de outubro.

A dúvida prende-se por ora com a data em que Bercow deixará oficialmente de ser o speaker da Câmara dos Comuns: será “aquando da data das próximas eleições” ou a 31 de outubro — o prazo ainda em vigor para a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) —, depedendo de qual dos dias chegar primeiro. Isto porque a possibilidade de o país voltar a eleições antes do final do próximo mês não está de todo afastada, devido ao impasse gerado em torno do turbulento processo do Brexit.

Foi com a sua mulher Sally presente nas galerias do Parlamento britânico que John Bercow iniciou um discurso que terminaria com uma ovação de pé por parte dos deputados do Partido Trabalhista. Já a maioria dos representantes do Partido Conservador na Câmara dos Comuns manteve-se “sentada nos seus lugares”, refere a estação britânica BBC.

John Bercow durante o emocionado discurso em que anunciou a saída do Parlamento até ao final de outubro (@ House of Commons/PA Images via Getty Images)

Curiosamente, Bercow até começou por ser um político situado na ala direita do partido, mas foi-se gradualmente aproximando da ala esquerda do Partido Conservador — a ponto de terem chegado a circular rumores de que planeava juntar-se ao Partido Trabalhista, que apoiou a sua eleição como speaker em 2009. Os defensores do Brexit, aliás, mostraram-se muitas vezes críticos de Bercow durante o turbulento processo (ainda em curso) de saída do país da União Europeia, acusando-o de parcialidade na moderação dos debates e na presidência da Câmara dos Comuns.

Uma promessa com dois anos que faz deste um fim (semi)anunciado

Foi precisamente lembrando uma promessa que fez à mulher Sally— e também aos filhos —, que o ouvia nas galerias do Parlamento, que Bercow iniciou o discurso em que anunciou a saída. “Nas eleições de 2017, prometi à minha mulher e aos meus filhos que faria o último [mandato]” como membro do Parlamento e como speaker, começou por dizer.

É um compromisso que tenciono cumprir. Se a Câmara dos Comuns votar esta noite por eleições gerais antecipadas, os meus dez anos como speaker e membro do Parlamento terminarão quando este Parlamento se dissolver [para eleição de novos deputados]. Se a Cãmara não votar nesse sentido, concluí que a ação menos disruptiva e mais democrática seria retirar-me na quinta-feira, 31 de outubro”, referiu.

Assim que anunciou que a decisão de saída estava tomada e só a data de saída do Parlamento estava em dúvida, John Bercow ouviu um burburinho de surpresa, aplausos e alguns risos. Mas prosseguiu, perante um Parlamento efusivo e que, como habitual, ia reagindo audivelmnte às palavras do orador, afirmando que não se irá desculpar “a ninguém, em lado algum e em tempo algum”, por ter “procurado aumentar a autoridade relativa desta legislatura” e do Parlamento.

Durante o discurso, Bercow deixou ainda palavras elogiosas aos deputados: “Este é um sítio fascinante, preenchido por pessoas que, na sua esmagadora maioria, agem movidas pela sua noção de interesse nacional, pela sua perceção do bem público e pelo seu sentido de dever enquanto representantes [dos eleitores], procurando fazer o que acreditam ser correto para o nosso país”,

Servi como membro do Parlamento durante 22 anos e servi como speaker durante os últimos dez. Este tem sido, deixem-me expor isto de forma explícita, o maior privilégio e a maior honra da minha vida profissional. Ficarei eternamento grato”, apontou.

Quando foi eleito para o cargo, em 2009, Bercow anunciou logo que não pretendia passar mais de nove anos como speaker da Câmara dos Comuns, refere a BBC — sairá em breve com mais um ano cumprido (dez) no cargo. O cargo é escolhido através de voto secreto pelos deputados e tem rodado intermitentemente entre os dois partidos, sendo que em 2009 o Labour votou num candidato conservador que não reunia absoluto consenso no interior do partido — precisamente Bercow.

Atualizado às 17h38 de 09/09/2019

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt
Brexit

Pode haver acordo em Bruxelas /premium

João Marques de Almeida

O Brexit já acabou com dois líderes conservadores. Desconfio que também acabará com um líder trabalhista. A Europa não divide apenas os conservadores. Também divide, e muito, os trabalhistas.

Brexit

A “outra” democracia /premium

Diana Soller

Tem-se dito muitas vezes que o Reino Unido está a pagar o preço por não ter uma constituição. Há motivos mais profundos: a tensão entre dois regimes com nomes parecidos mas intenções muito diferentes

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)