As negociações entre o PSOE e o Unidos Podemos para a criação de uma maioria que permita formar Governo em Espanha voltaram a falhar. Dois dias depois de se terem reunido, Pedro Sánchez e Pablo Iglesas voltaram a encontrar-se para, mais uma vez, não chegarem a um acordo.

A reunião terá durado apenas dez minutos, tempo suficiente para Sánchez informar Iglesas de que não aceita a proposta de coligação do Unidos Podemos. De acordo com o El País, que cita uma fonte do Podemos, o partido mostrou-se disponível para abandonar o governo se, depois de aprovado o orçamento espanhol, o líder do PSOE considerar que coligação não está a funcionar, mantendo, no entanto, o apoio parlamentar.

O PSOE descartou essa possibilidade por considerar que “não existem bases mínimas de confiança ou uma abordagem governamental coesa, coerente e com uma única direção”.

Para desbloquear o impasse político em Espanha e possibilitar a investidura de Pedro Sánchez como primeiro-ministro, os socialistas querem seguir um modelo semelhante ao do português, com um apoio de incidência parlamentar. O Podemos, porém, quer a formação de um Governo de coligação entre os dois partidos.