A coordenadora do BE, Catarina Martins, considera que o programa do PS é ambíguo e com números mal explicados, avisando que as contas socialistas não chegam para a atualização salarial à taxa de inflação prometida para os funcionários públicos.

Em entrevista à agência Lusa, Catarina Martins reitera as críticas que tem feito ao programa eleitoral do partido liderado por António Costa naquilo que diz respeito às “contas certas” que considera não serem apresentadas pelo PS. A líder BE insiste ainda na ideia de que “uma maioria absoluta é perigosa”, até “pelas experiências passadas” que Portugal teve com este tipo de resultado eleitoral, um perigo que “toda a gente reconhece”, incluindo o primeiro-ministro, António Costa. E diz até que se há um voto útil dos socialistas que não querem maioria absoluta nestas eleições é no Bloco de Esquerda”.

Em relação à atualização dos salários da função pública que o PS promete fazer à taxa de inflação, na perspetiva da líder do BE, se os socialistas apresentam “uma conta que não chega, quer dizer que, em vez de aumentos à inflação, vai ter cortes”. “Nós achamos que estamos a ver quais são os cortes, mas era bom que o PS falasse ao país sobre isso”, desafia.

“Para nós, o tema das contas certas tem esta dupla dimensão. Por um lado, acertarmos contas com os défices que o país tem, todos eles, reais, da saúde, das pensões, dos salários, do que é preciso fazer e, por outro lado, também chamarmos à atenção para que, quando um programa promete medidas e as suas contas não batem certo, quer dizer que não vai fazer o que lá está, vai fazer outra coisa qualquer”, sustenta.

Segundo a líder bloquista, os números do programa socialista só apareceram depois do debate televisivo que teve com secretário-geral, António Costa, uma vez que antes desse frente-a-frente “o PS nem números apresentava, remetia só para o Programa de Estabilidade”. “Existe uma ambiguidade neste programa do PS, nestes números mal explicados, que não existiu há quatro anos”, critica.

Para justificar a incongruência do PS, Catarina Martins explica que “atualizar os salários da função pública ao nível da inflação custa 345 milhões de euros” e depois os socialistas orçamentam “95 milhões de euros”. “Nós percebemos que, em vez de atualização, estamos a falar, seguramente, de cortes”, insiste.

Segundo a líder bloquista, este é o mesmo PS que diz querer “rever as carreiras especiais, o que significa que muito provavelmente enfermeiros, médicos, professores, polícias oficiais de justiça estão preparadas más notícias”, alerta. Sobre o “outro lado” das contas certas, na visão da cabeça de lista do BE pelo círculo do Porto, “quando faltam milhões [de euros] em hospitais, não há contas certas, mesmo que depois o que vá para Bruxelas seja muito bonito”.

“As pessoas entendem bem quando falta tudo no Serviço Nacional de Saúde, percebem que essa não é uma conta certa. As pessoas entendem quando estão a pagar das faturas da energia mais caras da Europa que isso não é uma conta certa e, portanto, fazermos de conta que está tudo bem, porque há um itenzinho para Bruxelas que fica muito bonito, é brincar com a vida das pessoas”, defende.

O Bloco quando discute contas certas, contrasta Catarina Martins, quer debater a forma como se olha “para o país, para as suas possibilidades, para o seu investimento”, ou seja, das escolhas políticas que é preciso fazer.

Tal como se lê no programa eleitoral com que o partido se apresenta às eleições para a Assembleia da República, a líder bloquista defende que “o crescimento do Bloco de Esquerda pode ser o fator decisivo para impedir uma maioria absoluta do Partido Socialista”.

Voto útil não é para escolher primeiro-ministro

“Quem saiba e se lembre de como as maiorias absolutas são perigosas, mesmo no PS, hoje sabe que o voto útil é no Bloco de Esquerda”, reitera. Na perspetiva de Catarina Martins, “até às eleições de 2015 ficava muito a ideia de que só se escolhia entre um Governo do PS ou um Governo do PSD”, paradigma que considera que se alterou com a atual legislatura, que mostrou que “as maiorias que são formadas no parlamento podem determinar que programas vão para a frente”.

“E, portanto, hoje o voto útil não tem a ver com a escolha de um primeiro-ministro. Tem sobretudo a ver com o equilíbrio de forças, com o equilíbrio que queremos para puxar pelo país”, aponta. A dirigente do BE aproveita este argumento para apelar ao voto de “quem deseja que Portugal continue a avançar nas conquistas dos direitos do trabalho, de valorização de salários e de pensões, na defesa do Estado social, na defesa de investimento público”.

Numa entrevista à TVI, Catarina Martins já tinha afirmado que o partido precisa “de mais de 10%” nas legislativas, mas quando instada a traçar uma meta eleitoral, a líder bloquista afirma apenas que “aguarda tranquilamente o resultado das eleições” e até lá vai trabalhar para tentar explicar o programa.

Aos perigos de uma maioria absoluta, para a deputada do BE, acresce o programa com que o Partido Socialista se apresenta a eleições.

“O PS apresenta um programa em que diz que quer fazer investimento, mas depois com contas que não permitem o investimento, que diz que quer recuperar os salários dos funcionários públicos, mas depois, com contas que não permitem sequer recuperar a inflação”, exemplifica.

PS e partidos europeus cederam à extrema-direita na Comissão Europeia

A coordenadora do BE, Catarina Martins, guarda as críticas mais duras para ao PS para o tema da Europa, acusando os socialistas e outros partidos do centro europeus de terem falhado na luta contra a extrema-direita. Afirma ainda que há “um sinal económico grave” na pasta atribuída a Elisa Ferreira na futura Comissão Europeia.

“O Partido Socialista em Portugal e outros partidos ditos de centro em outros países da Europa prometeram construir uma aliança que não permitisse à extrema-direita conduzir os destinos da Europa e, de facto, falharam em toda a linha e acabaram por ceder”, afirma Catarina Martins em entrevista à agência Lusa.

A líder do Bloco usa palavra fortes e culpa os socialistas por “uma completa cedência à extrema-direita na Comissão Europeia” que vê as suas posições reforçadas.

Catarina Martins cita o facto de ter sido atribuído o nome de “modo de vida europeu” a uma pasta sobre migrações: “Isto não é só uma cedência a uma semântica da extrema-direita, até porque, como sabem, não existe um modo de vida europeu (…) modos de vida há muitos na União Europeia”.

A coordenadora do Bloco acrescenta: “aquilo de que estamos a falar é da ideia de alimentar uma retórica xenófoba que é muito prejudicial e que não tem nada a ver com aquilo que consideramos que deve ser um espaço europeu, que deve ser um espaço de respeito pelos direitos humanos”. Outro exemplo citado foi o da pasta do alargamento atribuído à Hungria, com um regime “autoritário” e “traços protofascistas” de quem o Partido Popular Europeu se demarcou antes das eleições, “para fazer de conta”, segundo diz.

Relativamente à pasta atribuída a Elisa Ferreira, Catarina Martins manifesta uma preocupação “mais vasta”: “chama-se coesão e reformas”. Para a dirigente bloquista, há um entendimento muito diferente na Europa relativamente ao conceito de reformas: “em ‘europês’, digamos assim, reformas têm sido tudo aquilo que corta nos custos de trabalho e no Estado social”.