O Presidente dos EUA, Donald Trump, disse esta segunda-feira que não pretende entrar em guerra com o Irão, apesar de estar convencido que este país esteve diretamente envolvido no ataque a instalações petrolíferas na Arábia Saudita.

Trump explicou que os EUA estão a analisar as opções de retaliação ao ataque de aviões não tripulados (‘drones’) feito no sábado contra as principais instalações petrolíferas da Arábia Saudita, dizendo que apenas tomará uma decisão quando houver “provas definitivas”.

Por sua vez, o Irão continua a negar a autoria do ataque e diz que foi um ato de legítima defesa dos rebeldes Houthis, em reação a repetidos ataques da Arábia Saudita no Iémen.

Em declarações aos jornalistas na Casa Branca, Trump afirmou que não pretende entrar em guerra com o Irão, mas repetiu que os EUA estão “preparados” para qualquer cenário, nomeadamente para uma resposta militar aos ataques contra os interesses da Arábia Saudita.

As declarações de Trump acontecem quando o Presidente do Irão, Hassan Rouhani, voltou a negar o envolvimento no incidente na Arábia Saudita, declarando acreditar que possa ter tido origem nos rebeldes Houthis, que reivindicaram o ataque com ‘drones’, e que aconteceu “em legítima defesa”

“O problema tem raiz na invasão do Iémen”, afirmou Hassan Rouhani, numa entrevista transmitida esta segunda-feira pela televisão estatal iraniana, justificando a ação dos Houthis, que lutam no Iémen contra a coligação internacional liderada pela Arábia Saudita.

“Eles (a coligação internacional) está a bombardear o Iémen diariamente”, acusou o Presidente do Irão, considerando que o ataque foi “uma defesa legítima”.