O embaixador dos EUA na União Europeia, Gordon D. Sondland, vai falar à comissão de inquérito da Câmara dos Representantes no âmbito do processo de impeachment contra Donald Trump após o governo norte-americano ter tomado a decisão de não deixá-lo participar.

As ordens partiram do Departamento de Estado, de acordo com o advogado de Gordon D. Sondland, mas foi corroborada por Donald Trump no Twitter.

“Adoraria enviar o embaixador Sondland, um bom homem e um grande americano, para testemunhar, mas infelizmente ele estaria a testemunhar perante um tribunal de cangurus [expressão coloquial usada para designar julgamentos sem provas], onde os direitos dos republicanos foram apagados e os factos verdadeiros não são mostrados ao público”, escreveu.

Donald Trump fez ainda menção no seu tweet a uma troca de mensagens entre Gordon D. Sondland e William B. Taylor, diplomata norte-americano e atual encarragado de negócios da Embaixada dos EUA na Ucrânia.

“Tal como já tinha dito ao telefone, acho que é uma loucura suspender a ajuda na defesa [da Ucrânia] para conseguir ajuda numa campanha política”, escreveu William B. Taylor.

Gordon D. Sondland procurou corrigi-lo: “Bill, creio que está enganado quanto às intenções do Presidente Trump (…). O Presidente foi bem claro que não há quid pro quo de qualquer género”. Isto é, Gordon D. Sondland utiliza a mesma ideia e expressão que passou a ser a defesa de Donald Trump desde que o caso da Ucrânia lhe foi apontado — que não havia “quid pro quo” (troca por troca) no seu pedido ao Presidente ucraniano que investigasse a passagem pela Ucrânia do filho de Joe Biden, seu rival político e possível adversário nas eleições presidenciais de 2020. Hunter Biden fez parte da direção da energética Burisma.

Nessa troca de mensagens, Gordon D. Sondland cortou cerce a conversa: “Sugiro que paremos esta troca de mensagens”.

Num comunicado citado pelo The New York Times, o advogado de Gordon D. Sondland, Robert Luskin, diz que o seu cliente está “profundamente desapontado” por não poder testemunhar, referindo que ainda assim ele não tinha escolha, já que as ordens que o impedem de falar na Câmara dos Representantes partem do Departamento de Estado, isto é, do governo norte-americano.

Democratas acusam governo de obstrução

O diretor do Comité de Informações da Câmara dos Representantes, o democrata Adam Schiff, disse que o impedimento imposto a Gordon D. Sondland para não depor esta terça-feira é “mais uma forte prova da obstrução das funções constitucionais do Congresso” por parte do governo de Donald Trump.

Adam Schiff referiu ainda que, além de ter impedido que Gordon D. Sondland testemunhasse, o Departamento de Estado está também a bloquear o acesso por parte daquele comité a mensagens no telemóvel privado daquele diplomata.

“Sabemos que o embaixador tem mensagens e emails num aparelho pessoal que foram dadas ao Departamento de Estado. Embora tenhamos solicitado essas mensagens ao embaixador, o Departamento de Estado está a guardá-las”, disse Adam Schiff.