Continua a ser raro, mas não inédito. Volta e meia, Portugal assume o protagonismo entre as maiores estrelas do mundo. Seja na moda, quando Beyoncé surge vestida por uma dupla de criativos portugueses radicada em Londres, seja na decoração, quando Gwyneth Paltrow serve os convidados do seu casamento com loiça feita em Portugal. Agora, foi a vez de Rihanna surpreender o mundo com uma peça de mármore com cerca de uma tonelada produzida na Batalha, no distrito Leiria.

O livro “Rihanna”, com lançamento marcado para o dia 24 de outubro, é uma autobiografia visual editada pela Phaidon. E se o preço base de 140 euros já leva a crer que esta é uma edição de luxo, o que dizer da versão “Rihanna: Ultra Luxury Supreme”, que custa cerca de 100 mil euros? O livro é o mesmo, mas traz uma espécie de pedestal em mármore maciço, desenhado pelos The Haas Brothers e produzido na Gárgula Gótica, oficina portuguesa que labora há mais de 20 anos.

Alzira Antunes é a proprietária e fundadora desta oficina dedicada, em exclusivo, ao trabalho manual em torno da pedra portuguesa. Todas as peças são únicas, concebidas por designers, arquitetos e artistas de todo o mundo, e rumam sobretudo aos Estados Unidos, o mesmo país de onde, há cerca de dois meses, chegou o desenho destinado a acompanhar o primeiro livro da estrela de Barbados. “A peça é muito bonita e o mármore é simplesmente lindo. Nós trabalhamos com estes designers há anos. Eles desenharam a peça para a Rihanna e nós executámos”, explica ao Observador.

O prazo era apertado, segundo admite, e teve início a partir de um bloco de mármore pele de tigre, extraído na zona de Estremoz. O projeto chegou a Portugal na forma de uma maqueta, coube a uma equipa de cerca de sete pessoas replicá-lo na pedra, com os autores a acompanharem a evolução da obra à distância. “É um trabalho que vai passando por várias mãos”, assinala Alzira. Numa oficina onde as mulheres estão em maioria, foram dois homens a iniciar o processo, ou seja, a fazer o desbaste de uma pedra cujas medidas rondariam 110 cm por 115 cm. A peça seguiu depois para as mãos de um escultor e de uma escultora, já os acabamentos ficaram por conta de três mulheres, dado o detalhe e a minúcia que a tarefa exige.

Alzira Antunes, a fundadora e proprietária da Gárgula Gótica

Alzira Antunes criou a Gárgula Gótica em dezembro de 1998, juntamente com um sócio. Há um ano, este saiu para se dedicar a outros negócios, passando a ser ela a única proprietária. “Trabalhamos por encomenda e fazemos todo o tipo de trabalhos, dos estilos mais clássicos aos desenhos mais modernos”, recorda. Nem só de mármore vive esta oficina. Alzira e a sua equipa também se especializaram na manipulação de pedras calcárias e de basaltos, além das técnicas de restauro, essas sim maioritariamente requeridas pelo mercado nacional. Tudo o resto, ou seja, a produção de peças de raiz, é maioritariamente para exportar.

“Até hoje, tudo correu maravilhosamente. É ótimo porque é também uma forma de dar a conhecer ao mundo que temos uma excelente pedra”, afirma. A Gárgula Gótica já tinha trabalhado antes com os irmãos Simon e Nikolai Haas. Destaque para “Party God”, uma estátua em mármore com quase 40 toneladas, exposta no festival Coachella, em 2015. Recentemente, a oficina também apostou numa marca própria — Manta. Por estes dias, termina-se a segunda coleção, desenhada pelo português André Teoman, e com apresentação marcada para o próximo mês de janeiro, na Maison et Objet, em Paris.

Gárgula Gótica, a oficina criada em 1998, com uma equipa composta, maioritariamente, por mulheres

Para Rihanna, o bookstand em mármore, ao qual deram o nome “Stoner”, assinala a versão mais cara e exclusiva do livro. Segundo o Daily Mail, o “Rihanna: Ultra Luxury Supreme”, entretanto já assinalado como esgotado na página da Phaidon, terá um valor de venda ao público que ronda os 100 mil euros. Além da peça feita em Portugal, que a mesma página diz pesar perto de uma tonelada e medir cerca de um metro de altura, o livro tem um formato maior, está assinado pela própria cantora, de 31 anos, e faz parte de uma edição numerada de dez exemplares. Depois do primeiro bloco de mármore esculpido à mão, a oficina portuguesa irá produzir os restantes.

As opções não ficam por aqui. As mais de 1.000 fotografias e documentos que contam a vida da cantora em 504 páginas também chegam na versão “Rihanna: Luxury Supreme”. Por 5,750 euros, o livro vem exposto numa base dourada — “Drippy + The Brain” –, criada pelos irmãos Haas, numerado de 11 a 1.000, também em grande formato e assinado por Rihanna. O suporte mais modesto é mesmo o “This Sh*t Is Heavy”, outra criação de Simon e Nikolai, mas bem mais em conta. A edição “Rihanna: Fenty x Phaidon” é mais pequena e custa 165 euros.

A edição “Rihanna: Luxury Supreme”, exposta na festa de lançamento do livro © Kambouris/Getty Images for Rihanna

A festa de lançamento aconteceu na passada sexta-feira, no Guggenheim Museum, em Nova Iorque. “Simplesmente dei à Phaidon uma pen cheia de imagens e disse: ‘Agora é com vocês’. Eles responderam: ‘Vamos fazer arte'”, discursou a cantora durante a apresentação do livro. A festa foi, no mínimo, luxuosa. O champanhe servido — Armand de Brignac — custa mais de 270 euros por garrafa e, apesar de não se terem avistado outras celebridades no evento, parece que Cardi B já garantiu o seu Ultra Luxury Supreme made in Portugal.