O primeiro Centro de Interpretação da Natureza na serra de Sintra, distrito de Lisboa, vai ser inaugurado na quinta-feira, às 10h30, para permitir aos seus visitantes recuar na História e ver a evolução da região.

“Através de ferramentas digitais e materiais didáticos, será possível recuar milhões de anos, embarcando numa viagem que atravessa os períodos mais marcantes da História da região”, referiu, numa nota, a empresa pública Parques de Sintra — Monte da Lua.

A viagem ao passado começa com a formação da serra de Sintra e termina nos dias de hoje, “com uma paisagem única, integrada no Parque Natural de Sintra-Cascais”. O centro situa-se no Parque de Monserrate e é dirigido essencialmente a escolas e a famílias com crianças, entre os 6 e os 12 anos. Durante todo o dia da inauguração, este novo projeto vai ser visitado “por várias escolas do concelho”. “O objetivo é promover o contacto com a natureza, a sensibilização ambiental e o conhecimento sobre a fauna e a flora presentes nos ecossistemas únicos que caracterizam esta região”, informou a empresa.

O centro tem também um aquaterrário (tipo de viveiro) que “recria um ecossistema ribeirinho do Parque Natural”, onde as crianças podem explorar e descobrir “espécies aquáticas endémicas e ameaças, como a boga portuguesa”. Os visitantes podem ainda observar “um modelo de um carvalho-português, decomposto em raiz, tronco e copa, que explica a biologia da árvore”.

Para acolher o novo centro foram necessárias obras de requalificação globais no edifício que era o ateliê de pintura de Francis Cook, bisneto do primeiro visconde de Monserrate, datado de 1920.

O centro vai estar aberto todos os dias e os preços individuais variam entre os cinco euros (programa escolas) e os oitos euros (programa famílias).