Trata-se de uma espécie de contra-droga: um medicamento salva-vidas que reverte o efeito de uma overdose de opioides, como a heroína, e está prestes a ser disponibilizada no Reino Unido para tentar combater os elevados números de mortes relacionadas com consumo de droga naquele país. Em causa está um projeto piloto, que vai arrancar já esta segunda-feira em Redcar e Cleveland, no nordeste do Reino Unido, e que visa a distribuição deste medicamento pelas ruas onde há mais registo de toxicodependentes.

Segundo o The Guardian, o efeito imediato de quem sofre overdoses é a desaceleração da respiração. É precisamente esse efeito que a nova droga (naloxone) pretende reverter, ajudando a manter a respiração controlada. Hoje em dia a maior parte das pessoas que acede a este tipo de substância são os toxicodependentes que procuram ajuda e que acedem a tratamentos e reabilitações, mas isso não resolve o problema, já que a grande maioria das mortes por overdose acontecem nas ruas. A ideia agora é precisamente tornar este medicamento acessível nas ruas, como SOS.

Segundo dados de agosto do Instituto Nacional de Estatística britânico, 4.359 pessoas morreram por overdose em Inglaterra em 2018, um número que é o mais elevado desde 1993, quando se iniciaram estes registos. Mais: metade das mortes ou mais diziam respeito ao abuso de opioides, como por exemplo a heroína.

O projeto piloto vai ser lançado pela Addaction, instituição de caridade britânica que apoia mudanças de comportamentos relacionados com abuso de substâncias. Ao Guardian, um dos responsáveis pela Addaction, Gary Besterfield, afirma que “todas as mortes relacionadas com droga são trágicas e cada morte é evitável. É altura de fazermos alguma coisa: demasiadas famílias em Redcar e Cleveland perderam os seus entes queridos por causa do consumo de droga”.

Daí que defenda que “a oportunidade de usar naloxone não deve ser só das pessoas que conseguem ir para a reabilitação”. A ideia é, já a partir da próxima semana, pôr pessoas nas ruas a distribuir naloxone junto dos consumidores de opioides e a explicar como se deve usar. O programa piloto deverá decorrer durante 12 semanas, vai ser apoiado pela polícia local, e deverá depois ser exportado para as outras regiões do país.

O norte de Inglaterra regista os números mais elevados de mortes por consumo excessivo de droga: 96,3 mortes por cada milhão de pessoas são relacionadas com droga, enquanto em Londres o número baixa para 39,4.