O Governo está a preparar a criação de dois novos escalões de IRS através do desdobramento dos atuais 5.º e 6.º escalões, noticia esta sexta-feira o Jornal Económico citando fontes próximas das negociações da Orçamento do Estado para 2020.

A medida em estudo enquadra-se na promessa de António Costa de aliviar a carga fiscal para a classe média já a partir do primeiro ano da nova legislatura através de “uma maior progressividade do IRS”.

De acordo com o Jornal Económico, a medida deverá ser aplicada em simultâneo com a inclusão dos rendimentos prediais no IRS — e, por isso, se não for possível avançar com este englobamento já no próximo ano, o desdobramento dos escalões poderá também não ocorrer em 2020.

Segundo as fontes ouvidas por aquele jornal, o governo já identificou a forma concreta de aumentar a progressividade do IRS, desdobrando os escalões 5 e 6 em quatro escalões.

Atualmente, o quinto escalão abrange os rendimentos entre os 25 mil e os 36.856 euros, taxados a 37%; já o sexto escalão inclui os rendimentos entre os 36.856 e os 80.640 euros, tributados a 45%.