A utilização de aplicações móveis da loja Google Play em telemóveis com o sistema operativo Android pode comprometer os dados dos utilizadores. A denúncia está a ser feita pela unidade de threat intelligence (monitorização de crimes e ameaças digitais) da empresa Check Point Software Technologies, a Check Point Research.

Em comunicado enviado à comunicação social, a Check Point Reserach revela ter descoberto que “algumas vulnerabilidades críticas antigas continuam vigentes em centenas de aplicações Android, de onde se destacam aplicações como Facebook, Instagram, Yahoo Browser ou WeChat”. Estas vulnerabilidades ainda ativas “podem permitir aos ciberatacantes roubar uma grande quantidade de informação relacionada com estas Apps e obter permissões no SO Android às áreas e funções que estas aplicações têm acesso, como a localização do utilizador e até mesmo a leitura de mensagens“.

Segundo a unidade da empresa que se descreve como “fornecedor global líder em soluções de cibersegurança”, foram analisadas como amostra três vulnerabilidades descobertas entre 2014 e 2016. A investigação revelações que “este tipo de brechas de segurança já conhecidas podem ainda assim persistir”, até mesmo em “aplicações recém publicadas na loja Google Play”.

Embora a maior parte das pessoas acredite que as falhas de segurança podem ser corrigidas com atualizações do sistema operativo dos Android, esta investigação da empresa concluiu que “mesmo as vulnerabilidades corrigidas há muito tempo podem ser críticas“. Hoje, existem ainda à disposições dos utilizadores “centenas de aplicações na loja Google Play que podem partilhar o mesmo erro e, assim, estarem vulneráveis a estas falhas de segurança do passado”, lê-se ainda no comunicado enviado à imprensa.