A Bentley está a apostar cada vez mais na Mulliner, que até agora sempre cunhou os projectos mais especiais (e caros) do fabricante de Crewe. A ideia mantém-se, mas parece que o construtor britânico pretende fazer séries muito limitadas com maior frequência, pois é daí que advém a maior fatia de lucros. Por isso, a Mulliner vai ganhando uma relevância crescente.

A divisão que, em 2002, tratou da viatura oficial da rainha Elizabeth II, a Bentley State Limousine, tem pela frente um outro desafio: fazer apenas 12 unidades de um roadster inspirado no protótipo eléctrico EXP 100 GT, partindo da base do Bentley Continental GT. Costuma-se dizer que à dúzia sai mais barato, mas não será esse o caso, pois cada exemplar terá um preço base de 1,7 milhões de euros.

Bentley State Limousine

Recorde-se que EXP 100 GT, revelado em Julho, traduz a visão de mobilidade sustentável da Bentley, precisamente no ano em que a marca celebra o seu primeiro centenário. As linhas deste concept totalmente eléctrico deverão influenciar os traços dos futuros Bentley, sendo certo que o protótipo também serviu para antecipar a electrificação gradual da gama do fabricante britânico. Porém, segundo avança a Autocar, o desportivo que a Bentley pretende que a Mulliner faça pouco terá de eléctrico (ou mesmo nada). Segundo a referida publicação, sob o capot deverá encontrar-se o 12 cilindros em W com 6,0 litros de cilindrada e duplo turbocompressor que já conhecemos, cuja última revisão atirou a potência para os 635 cv com um binário máximo de 900 Nm.

8 fotos

As informações disponíveis apontam para uma barchetta, projectada pelo chefe de design da Bentley, Stefan Sielaff. Resta saber se, por 1,7 milhões a unidade, a Mulliner vai abraçar as soluções amigas do ambiente que o EXP 100 GT preconiza – da tinta a revestir o exterior, feita a partir de casca de arroz reciclada, ao revestimento interior, onde tudo o que parece pele… não é. É, sim, um têxtil 100% orgânico. Sendo certo que, logo desde o início, o cliente poderá definir junto da Mulliner como pretende diferenciar a sua aquisição.

O ultra-exclusivo modelo, sem tejadilho e com lugar para dois, irá ao encontro da crescente tendência para procurar a singularidade num automóvel. O próprio Sielaff reconhece mudanças na procura: “Temos cada vez mais clientes que nos pedem um Bentley muito especial – único ou um exemplar de uma série limitada a 10 unidades. Se olharmos para a sociedade, a realidade é que os ricos estão cada vez mais ricos.”