O número de médicos que pediram este ano licença à Ordem para exercer no estrangeiro atingiu os números registados durante a crise. Ao que avança o semanário Expresso, o ano deverá terminar com quase 400 pedidos. À rádio Observador, o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, diz que tem existido uma “grande perda não só para o estrangeiro, mas mais para o serviço privado“, o que pode, entre outros fatores, colocar em causa “a capacidade formativa do Serviço Nacional de Saúde“.

Num dia em que são conhecidos os números de médicos que pediram licença para poderem exercer no estrangeiro, a Agência Lusa revelou também algumas das conclusões de uma auditoria pedida pelo Ministério da Saúde sobre o Serviço Nacional de Saúde. Para o bastonário da Ordem dos Médicos, os dados têm ligação entre si, tendo em conta que “a saída de médicos dos principais hospitais, limita a capacidade formativa de médicos especialistas“, adiantando que o “sistema precisa de se ir adaptando”.

Ao Observador, Miguel Guimarães diz que “a saída de médicos é uma situação preocupante” e que a Ordem “tem alertado a tutela para a urgência de encontrar uma estratégia”, explicando que, “existindo concorrência entre todos os países europeus, os médicos vão tomando as opções que consideram mais válidas, em especial quando não sentem confiança no Serviço Nacional de Saúde“. Apesar dos dados sobre licenças para exercer noutros países, Miguel Guimarães diz que “a fuga de médicos para o privado é muito superior aos da emigração“.

Para o líder da Ordem dos Médicos estes dados “estão relacionados com o estado do Serviço Nacional de Saúde” e representam “a perda de pessoas muito importantes para o país”. Alguns desses médicos são dos mais experientes nos hospitais públicos, o que “impede a evolução da capacidade formativa, que pode até regredir“. Miguel Guimarães explica que “esta é uma avaliação que tem que ser feita ano a ano, porque se todos os dias saem médicos do Serviço Nacional de Saúde, todos os dias o sistema tem de ter capacidade de adaptar a capacidade formativa“.

Utilizando o caso do Hospital Garcia de Orta como exemplo, Miguel Guimarães diz que “a saída de médicos dos serviços tem implicações não só na qualidade do atendimento, mas também na capacidade formativa, porque os internos que estavam a receber formação deixam de ter quem a dê“.

Apesar dos números e das conclusões da auditoria pedida pelo Ministério da Saúde, Miguel Guimarães diz que as vagas de acesso à especialidade têm aumentado nos últimos anos e que a redução de vagas já acontece um pouco pelo continente europeu e está agora a chegar a Portugal, “devido à concorrência de toda a Europa”.

O bastonário adiantou ainda que a Ordem dos Médicos também pediu uma auditoria ao Serviço Nacional de Saúde, em nome próprio, que está próxima de estar concluída.

Já durante a manhã deste domingo, à margem de um encontro sobre saúde mental, a Ministra da Saúde, Marta Temido, disse que “o acesso a esse certificado [para exercer no estrangeiro] não é necessariamente para emigração, pode ser para o exercício temporário para a realização de um estágio ou de um curso” e que na segunda-feira vai promover uma reunião no ministério para dar inicio a “um conjunto de ações através de despacho no sentido de correção do processo” de formação de médicos em Portugal.