Um incêndio no único porta-aviões da Rússia provocou pelo menos um desaparecido e dez feridos, sendo que s estão hospitalizadas numa unidade de cuidados intensivos, informaram esta quinta-feira as agências de notícias russas, citando autoridades dos serviços de emergência do país.

A Frota do Norte da Rússia disse anteriormente que dois militares haviam sofrido ferimentos antes do incêndio no porta-aviões Almirante Kuznetsov ter sido controlado.

A representação do Ministério de Emergências da Rússia na cidade de Murmansk, no norte do país, onde o navio está atracado desde abril de 2018, contactado pela Associated Press (AP), recusou-se a comentar o número de feridos. O Almirante Kuznetsov estava a passar por manutenção e reparações quando o incêndio começou durante trabalhos de soldagem esta quinta-feira de manhã.

Membros da tripulação e especialistas civis estavam a bordo do navio na altura, mas foram todos retirados, disseram representantes do estaleiro Zvezdotchka, encarregado das obras. Segundo a agência de notícias AFP, citando o estaleiro, havia 400 membros da tripulação no navio. Pelo menos um trabalhador está desaparecido. Os danos no navio serão avaliados posteriormente, segundo as autoridades. O Almirante Kuznetsov foi usado no Mar Mediterrâneo para lançar missões russas de combate na Síria.

O incêndio é a segunda maior emergência do navio desde que atracou para reparos, em outubro de 2018, quando um guindaste desabou no convés do porta-aviões, ferindo quatro pessoas. De acordo com a AFP houve uma morte neste acidente no ano passado.