A participação na primeira volta das eleições presidenciais da Argélia, realizada na quinta-feira, foi de 41,14%, a mais baixa dos escrutínios pluralistas da história do país, anunciou a Autoridade Nacional das eleições (ANIE) na televisão nacional.

Esta eleição, organizada para eleger o sucessor de Abdelaziz Bouteflika, que foi afastado por um movimento popular maciço de contestação ao poder, era rejeitada categoricamente pelos contestatários, que viram na sua promoção uma manobra do regime para se regenerar.

Os resultados vão ser anunciados esta sexta-feira às 15h locais (14h em Lisboa), indicou o presidente da ANIE, Mohamed Charfi, durante uma intervenção televisiva, em direto. O Conselho Constitucional vai proclamar os resultados definitivos entre 16 e 25 de dezembro, tinha revelado antes a ANIE, em comunicado citado pela agência noticiosa oficial APS, avançando que uma eventual segunda volta se realizará entre 31 de dezembro de 2019 e 9 de janeiro de 2020.

Até então, as taxas de participação nas eleições presidenciais situavam-se entre os 50,7% de 2014, quando Bouteflika foi eleito pela quarta vez, e os 75,68% de 1995, nas primeiras presidenciais pluralistas, que foram ganhas pelo general Liamine Zeroual.

Argélia. General Salah apela à população para se “manter ao lado do país” e votar nas presidenciais