533kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

André Almeida e uma ressurreição de quem viu a Luz (a crónica do Benfica-Desp. Aves)

Este artigo tem mais de 2 anos

Esteve expulso, voltou, fez o golo decisivo: André Almeida valeu a reviravolta e a vitória ao Benfica frente ao Desp. Aves no jogo em voltou à equipa depois de ausência prolongada por lesão (2-1).

O capitão encarnado não jogava há sete jogos
i

O capitão encarnado não jogava há sete jogos

LUSA

O capitão encarnado não jogava há sete jogos

LUSA

Existe a tendência para dizer, nos últimos tempos, que se vive na Luz uma aura de positivismo. Uma espécie de ideia, sempre presente e sempre constante, de que tudo está a correr bem, de que tudo está no bom caminho. O ano de 2020 e o mês de janeiro, unidades temporais que levam apenas dez dias de duração, engrossaram essa aura para um estado de confiança com raros precedentes no passado recente. De repente, o Benfica contratou um jogador por 20 milhões de euros, vendeu outro que nunca deu o rendimento esperado por mais do que aquilo que havia dado por ele, ultrapassou em Guimarães um dos jogos mais complexos da temporada e continua em primeiro.

Mas este é um estado de confiança que se estende para lá disso. É um estado de confiança institucional que se vai repercutindo no panorama desportivo: não só no futebol, que acaba por ter mais visibilidade, como nas restantes modalidades. Nesta altura, no setor masculino, o Benfica é líder no futebol, no hóquei em patins, no voleibol, no basquetebol (em igualdade com o Sporting) e no futsal; no setor feminino, repete a liderança no futebol, no hóquei em patins e no futsal. Afunilando este estado de graça para o futebol e para a equipa de Bruno Lage, o Benfica recebia esta sexta-feira o Desp. Aves, último classificado, com o conforto de saber que nem uma derrota roubaria a liderança. E com a certeza de que um deslize do FC Porto em Moreira de Cónegos, onde não ganhou nas duas últimas épocas, significaria o conquistar de uma distância pontual que dificilmente é anulada.

Ficha de jogo

Mostrar Esconder

Benfica-Desp. Aves, 2-1

16.ª jornada da Primeira Liga

Estádio da Luz, em Lisboa

Árbitro: Carlos Xistra (AF Castelo Branco)

Benfica: Vlachodimos, André Almeida, Rúben Dias, Ferro, Grimaldo, Weigl (Cervi, 61’), Gabriel, Pizzi, Jota (Vinícius, 45’), Chiquinho, Seferovic (Samaris, 90+3’)

Suplentes não utilizados: Zlobin, Caio, Gedson, Tomás Tavares

Treinador: Bruno Lage

Desp. Aves: Beunardeau, Banjaqui, Dzwigala (Cláudio Tavares, 66’), Bruno Morais, Ricardo Mangas, Rúben Oliveira, Falcão, Estrela, Kevin Yamga, Mohammadi, Reko (Wellington, 84’)

Suplentes não utilizados: Szymonek, Enzo, Miguel Tavares, Afonso Figueiredo, Bruno Lourenço

Treinador: Nuno Manta Santos

Golos: Mohammadi (20’), Pizzi (gp, 76’), André Almeida (89’)

Ação disciplinar: cartão amarelo a Reko (12’), Chiquinho (23’), Banjaqui (44’), André Almeida (54’), Vinícius (72’), Samaris (90+5’)

Isto porque, por muito que o Benfica ainda tenha de visitar Dragão e Alvalade e receber Sporting, Sp. Braga e V. Guimarães na Luz, a verdade é que os encarnados já provaram que são uma equipa difícil de derrotar. Podem não ganhar, podem até empatar — mas dificilmente perdem. A eficácia demolidora demonstrada no D. Afonso Henriques, com um golo solitário de Cervi que resolveu um jogo onde o V. Guimarães até foi a espaços superior, deixou notória não só uma estrelinha de campeão cada vez mais evidente como também a capacidade assinalável do Benfica de aproveitar as oportunidades que tem. Pode não ser, por vezes, a melhor equipa em campo; pode não ser, por vezes, a equipa que melhor futebol demonstra em campo; pode ser, por vezes, a equipa que mais tempo passa a defender: mas é, quase sempre, a equipa que marca mais golos até ao apito final.

Era com esta bagagem que o Benfica recebia então, esta sexta-feira, o Desp. Aves de Nuno Manta Santos, último classificado com apenas seis pontos. Os extremos tocavam-se e Bruno Lage oferecia a titularidade a Weigl na estreia do médio alemão, também para fazer face à ausência de Taarabt, que viu o quinto amarelo em Guimarães e estava castigado. O facto de receber em casa — o sítio onde, até esta sexta-feira, apenas o FC Porto tinha conseguido marcar golos — o último terá levado Lage a efetuar algumas poupanças, também para dar mais minutos a jogadores que não são normalmente opção inicial e deixar descansar outros, numa altura em que o Benfica vai entrar num período competitivo particularmente denso. Seferovic ocupava o lugar de Carlos Vinícius, Jota era titular em vez de Cervi e André Almeida regressava ao onze depois de uma ausência prolongada por lesão, atirando Tomás Tavares para o banco de suplentes.

Os primeiros minutos mostraram desde logo que o Benfica não precisaria de acelerar muito para romper a organização defensiva do Desp. Aves e entrar nas costas do quarteto mais recuado da equipa de Nuno Manta Santos. Weigl, que tanto pode atuar a ‘6’ como a ‘8’, estava a ocupar a primeira das posições, a jogar à frente da defesa e perto de Gabriel. Chiquinho, nas costas de Seferovic, era o principal responsável pela ligação entre o setor intermédio e o mais avançado, com Jota a tombar no corredor esquerdo e Pizzi no lado contrário — ainda que o segundo procurasse mais espaços interiores do que o primeiro.

O Benfica controlou totalmente a partida durante os primeiros dez minutos, com a principal oportunidade a ficar a cargo de Seferovic, que cabeceou muito perto da trave depois de um cruzamento de Jota a partir da esquerda (7′). O jovem avançado era, aliás, o principal impulsionador do ataque encarnado: com o apoio constante de Grimaldo nas costas, Jota aproximava-se muitas vezes da zona mais recuada do meio-campo para levar jogo para a frente e depois dava-se à profundidade, aparecendo várias vezes em ótima posição para cruzar para a grande área.

O primeiro sinal de que o Desp. Aves tinha viajado até Lisboa para procurar algo mais — tal como Nuno Manta Santos tinha sublinhado na antevisão — apareceu já perto do primeiro quarto de hora. Mohammadi recebeu já na grande área, solicitado por Estrela, e cruzou na horizontal à procura de um desvio que nunca apareceu (14′). A facilidade com que o avançado iraniano apareceu em zona de finalização deixava perceber que a comunicação entre Ferro e Grimaldo, o central a jogar no lado esquerdo e o lateral esquerdo, não estava a ser a melhor: os jogadores do Desp. Aves entravam sem grande oposição na faixa entre os dois jogadores e conseguiam encontrar espaços para chegar perto da baliza de Vlachodimos. Depois do lance de Mohammadi, os avenses perderam complexos e alongaram o próprio jogo no relvado, até que o avançado iraniano conseguiu concretizar sozinho aquilo que ninguém tinha conseguido na jogada que o próprio criou.

Depois de deixar Ferro para trás com um grande pormenor individual, Mohammadi entrou na grande área sem oposição e atirou em força, quase sem ângulo, para bater Vlachodimos (20′). A surpresa estava feita na Luz e o Benfica atirou-se para o ataque até ao intervalo: Pizzi esteve perto do empate mas Dzwigala tirou em cima da linha de golo (25′) e Beunardeau frustrou tanto Seferovic como Chiquinho, tornando-se o grande guardião da vantagem avense. No final da primeira parte, já com Carlos Vinícius a efetuar exercícios de aquecimento, ficava a ideia de que o Benfica estava demasiado perdulário para todo o fluxo ofensivo que estava a criar. Com nove remates enquadrados, a equipa de Bruno Lage não conseguiu marcar — algo que é atípico nos encarnados e que deixava os encarnados preocupados.

[Carregue nas imagens para ver alguns dos melhores momentos do Benfica-Desp. Aves:]

No início da segunda parte, Bruno Lage lançou desde logo Carlos Vinícius para ir à procura do golo e tirou Jota — que estava a ser, novamente, um dos melhores elementos encarnados. A Luz voltou a gelar ainda antes de estarem cumpridos dez minutos da segunda parte, depois de os instantes iniciais após o intervalo terem sido totalmente dominados pela equipa da casa. Depois de uma entrada mais dura sobre Mangas, Carlos Xistra mostrou o cartão vermelho direito a André Almeida: numa altura em que faltavam 40 minutos para o apito final. O árbitro da partida acabou por ir rever o lance ao VAR e reverteu a decisão, mostrando apenas o cartão amarelo ao lateral direito.

O Desp. Aves recuou totalmente as linhas na segunda parte, de forma a defender a vantagem conquistada na primeira, e o Benfica assumiu o jogo, restringindo toda a partida praticamente ao meio-campo avense. O desperdício de oportunidades, porém, manteve-se igual: Chiquinho, Vinícius, Gabriel e Pizzi desdobraram-se em remates e tentativas mas a bola passava sempre por cima, ao lado ou era desviada por um defesa do Desp. Aves. Beunardeau, o guarda-redes francês da equipa de Nuno Manta Santos, continuava intransponível entre os postes e afastava todos os remates encarnados — que, a 15 minutos do apito final, já eram 20 dentro da grande área, um máximo absoluto esta temporada na Primeira Liga. Weigl deu lugar a Cervi, sendo o segundo sacrificado de uma lógica de Lage que visava colocar o máximo de jogadores no ataque, e o assalto à baliza avense prosseguia.

Face à total falta de eficácia em termos de bola corrida, o Benfica acabou por conseguir chegar ao empate através de uma grande penalidade. Carlos Vinícius foi carregado em falta por Falcão dentro da grande área e Pizzi, na conversão, não deu hipótese a Beunardeau (76′). A partir do empate, aquela que tinha sido a dinâmica do segundo tempo agudizou-se: o Desp. Aves fechou-se totalmente junto à própria baliza, para segurar o ponto que ainda tinha, e o Benfica foi insistindo cada vez mais, asfixiando totalmente a equipa de Nuno Manta Santos. O golo da reviravolta apareceu precisamente num lance de insistência, onde Carlos Vinícius recebeu de costas para a baliza já no interior da grande área e deixou a bola preparada para André Almeida, que rematou certeiro para confirmar a reviravolta e escrever uma espécie de justiça poética à sua maneira (89′).

No final do jogo, o Benfica conseguiu vencer aquele que se tornou, de forma inesperada, um dos jogos mais difíceis da temporada. Com esta vitória perante o Desp. Aves, os encarnados sabem desde já que vão pelo menos manter a distância de quatro pontos em relação ao FC Porto e somaram o 13.º resultado positivo consecutivo na Primeira Liga. Mais do que isso, a equipa de Bruno Lage voltou a mostrar uma linha de personalidade que se tem tornado fulcral: mesmo face a obstáculos, mesmo face a uma atípica falta de eficácia, a estrelinha de campeão permanece. E André Almeida, que não jogava há sete jogos, chegou a estar expulso e voltou ao jogo, foi a maior personificação disso mesmo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.