460kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

SOS Racismo denuncia agressão "contra cidadã negra portuguesa". PSP acusa-a de "resistir à detenção"

Este artigo tem mais de 2 anos

SOS Racismo denuncia "violência policial". Direção Nacional da PSP alega que cidadã reagiu de forma “agressiva e mordeu repetidas vezes o agente". Vídeos do incidente já circulam nas redes sociais.

PSP abriu um processo de averiguações sobre a atuação policial
i

PSP abriu um processo de averiguações sobre a atuação policial

PSP abriu um processo de averiguações sobre a atuação policial

A denúncia chegou às redes sociais, na segunda-feira, através de uma publicação da SOS Racismo: Cláudia Simões, 42 anos, “cidadã negra portuguesa”, alegadamente agredida por agentes da PSP, domingo à noite, na Amadora, em frente à filha Vitória, de 8 anos, ficou “num estado grave” e foi conduzida ao Hospital Amadora-Sintra. A associação já pediu a suspensão imediata do agente envolvido nas agressões. Em comunicado, escreveu ainda que “tudo fará para que o caso seja conduzido até às últimas consequências para que se faça justiça e que se acabe com a impunidade da violência policial racista”.

Em entrevista ao jornal Contacto, Cláudia Simões conta que os incidentes começaram no autocarro 163 e depois de a filha se ter esquecido do passe. “Nós entrámos no autocarro e quando a minha filha viu que não tinha o passe com ela, o motorista disse para sair. Eu respondi-lhe que ela tem o passe e que quando chegássemos ao nosso destino, o meu filho ia lá estar com o passe da menina”, relata.

Depois de entrar na viatura, Cláudia alega que não se dirigiu mais ao motorista, mas quando o autocarro parou no seu destino, no Bairro do Bosque, o condutor saiu disparado em direção a um polícia que estava ali perto.

“Força estritamente necessária face à sua resistência”

Em comunicado, a Direção Nacional da PSP, relata que o motorista terá chamado o agente que estava de patrulha na rua porque havia uma mulher que se recusava a “proceder ao pagamento da utilização do transporte da sua filha, e também pelo facto de o ter ameaçado e injuriado”. E apresenta uma versão diferente do caso: “A cidadã, de imediato e sem que nada o fizesse prever, mostrou-se agressiva perante a iniciativa do polícia em tentar dialogar, tendo por diversas vezes empurrado o polícia com violência, motivo pelo qual lhe foi dada voz de detenção”, pode ainda ler-se no comunicado.

“A partir desse momento, alguns outros cidadãos que se encontravam no interior do transporte público tentaram impedir a ação policial, nomeadamente pontapeando e empurrando o polícia.”

A PSP afirma ainda que Cláudia tentou resistir à detenção, mordendo a mão e o braço direito do agente. Terá sido esse comportamento mais agressivo que ditou a abordagem dos polícias. Não são nunca referidos nem confirmados os confrontos dentro do carro patrulha, mas é afirmado que foi utilizada “a força estritamente necessária para o efeito face à sua resistência”.

A situação só ficou resolvida com a chegada de reforço policial, para conter as pessoas no local e promover a condução da mulher detida à esquadra para formalização da detenção e notificação para comparência em tribunal.

A versão de Cláudia, ao Contacto, é muito diferente. “Ele agarrou-me, fez um mata-leão e caiu comigo de costas”, denuncia a mulher. Ao lado, ouvia a pequena Vitória: “Não mate a minha mãe, por favor.”

Admite, no entanto, que mordeu a mão do polícia, como diz o comunicado da PSP, mas porque estava a sufocar e pensava que ia morrer. Os agentes, argumenta, terão tentado levá-la para a esquadra da Boba, no Casal de S. Brás, mas não chegou a entrar — o que contraria a publicação da SOS Racismo, onde se lê que a cidadã foi alegadamente agredida dentro da esquadra de Casal de São Brás.

A polícia chamou uma ambulância para a conduzir para o Hospital Amadora-Sintra e ali, diz, também foi maltratada e a médica terá dito que “vocês é que arranjam problemas com os polícias”. Cláudia Simões vai apresentar-se na próxima quarta-feira no Tribunal da Amadora.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.