Dark Mode 93,6 kWh poupados com o MEO
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Hoje é um bom dia para mudar os seus hábitos. Saiba mais

Insólito. Hospital informou duas vezes mãe de bebé de dois anos que este estava morto, mas está vivo

Numa ida à pediatria, a mãe de um bebé de dois anos soube que este tinha sido registado como morto por engano. Esta terça-feira, recebeu os "sentidos pêsames". Hospital já pediu desculpa.

i

Menino de dois anos constava nos registos do hospital como estando morto desde o dia 22

Sandra Portela/Facebook

Menino de dois anos constava nos registos do hospital como estando morto desde o dia 22

Sandra Portela/Facebook

Em pouco mais de uma semana, o Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA) informou a mãe de um bebé de dois anos que este estava morto. Fê-lo em duas ocasiões e nas duas estava errado. A criança continua viva. No dia 30 de janeiro, numa ida às urgências de pediatria, Sandra Portela foi informada que o seu filho tinha sido registado como morto no dia 22 de janeiro. Esta sexta-feira, o erro voltou a repetir-se. Desta vez, recebeu uma carta com os “sentidos pêsames” e foi convidada a rezar pelo filho.

Segundo escreve o Jornal de Notícias, o CHUA assumiu que o erro inicial foi corrigido no sistema no dia da nova admissão, acrescentando que a carta foi enviada antes de o engano ser detetado. O hospital garantiu que já pediu desculpas à família.

“É surreal que digam a uma mãe que o filho está morto. Erros destes são grosseiros e não podem acontecer”, disse Sandra Portela ao mesmo jornal.

A confusão começou no dia 22, quando a criança de dois anos teve alta do hospital. “A médica que deu alta ao meu filho no dia 22 declarou o meu filho como morto”, disse a mãe da criança numa publicação na sua conta do Facebook, após ter sido avisada, no dia 30 de janeiro, de que o seu filho constava no registo do hospital como morto.

Sandra Portela deixou passar o erro, julgando que a situação tinha sido corrigida após o bebé ter sido atendido, mas esta sexta-feira o insólito voltou a repetir-se. Desta vez, o grupo religioso da instituição hospitalar enviou uma carta à mãe do bebé a avisar que este teria passado “os últimos momentos da sua existência” nas instalações do hospital, convidando a família a rezar pela sua morte.

“Da primeira vez, apanhei um enorme susto. Quando estava a fazer a inscrição nas urgências de pediatria devido a uma otite [da criança], disseram-me que estava registado como óbito desde dia 22 de janeiro. Fiquei sem chão por momentos mas, como o meu filho estava comigo e foi assistido, deixei passar. Mas a carta é a gota-de-água”, disse, em declarações ao JN. Classificando a situação como uma “vergonha”, Sandra apresentou queixa na PSP.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.