A Jaguar foi das primeiras marcas premium a arriscar uma incursão pelos veículos 100% eléctricos propondo um SUV exclusivamente a bateria, o I-Pace. Contudo, não é o construtor britânico que trata de produzir o modelo, operação que entregou aos austríacos da Magna  Steyr, os quais são também os responsáveis pelo fabrico dos “manos” BMW Z4 e Toyota Supra, entre outras propostas no mercado. Mas esta semana não vão sair quaisquer unidades do I-Pace da fábrica de Graz. O problema? Falta de “pilhas”.

O The Times avança que se trata de um problema de fornecimento dos acumuladores, o que significa que a LG Chem não estará a dar uma resposta à altura das necessidades da Jaguar. Os ingleses optaram pelas baterias da companhia sul-coreana e nem sequer foram muito ambiciosos no volume de produção, apontando desde o início para um limite de 20 mil I-Pace por ano.

Acontece que o crossover eléctrico é, actualmente, dos mais procurados entre os que exibem o emblema do felino. E se em 2019 a Jaguar conseguiu vender um total de 18.000 unidades do I-Pace em todo o mundo, os objectivos para este ano foram traçados mais acima. Até porque, em 2020, o volume de vendas de veículos puramente eléctricos pode ser decisivo para baixar a média de emissões de dióxido de carbono da gama e, em reflexo disso, libertar os fabricantes do pagamento das multas a que estão sujeitos se falharem as novas regras aprovadas por Bruxelas (média de 95g de CO2/km).

Não tendo qualquer controlo sobre a produção de baterias, a Jaguar incorre no mesmo risco a que a maioria das marcas estão expostas: o negócio fica nas mãos – no sentido de dependente – dos fornecedores de acumuladores. A Audi também já foi confrontada com essa situação, a Mercedes já assumiu que o ritmo de produção do EQC foi afectado por esse mesmo motivo e até a Volvo já admitiu publicamente que venderia ainda mais PHEV se tivesse mais baterias, o que resolveu com a assinatura de acordos a longo prazo.

Apesar de não haver garantias que esta situação não se repetirá, a Jaguar tratou de tranquilizar os clientes, informando que a suspensão da produção do I-Pace durante esta semana não irá impactar o prazo previsto para as entregas.