A reorganização da Unidade de Transplantes Hepáticos do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) está terminada e a secção já passou a aceitar novos doentes para a lista de espera, após cinco meses de suspensão, foi esta segunda-feira anunciado.

“Na semana passada, já houve um transplante de um doente eletivo – que é da lista de espera – e já foi retomada a entrada de doentes novos em lista de espera”, afirmou esta segunda-feira o presidente do conselho de administração do CHUC, Fernando Regateiro, que falava numa conferência de imprensa.

A conferência de imprensa surgiu na sequência da notícia da notícia desta segunda-feira do jornal Público, que refere que há cinco meses que não entram novos doentes em lista de espera para a realização de transplantes hepáticos no CHUC, face a uma bactéria multirresistente no internamento e à falta de recursos humanos.

Segundo Fernando Regateiro, essa situação “era verdade até à semana passada”, na sequência de problemas com uma bactéria multirresistente, bem como com a necessidade de reorganizar as estruturas de resposta.

O presidente do conselho de administração do CHUC referiu que a organização, em termos de estruturas, está terminada, faltando ainda criar “as condições para agregar, especialidade a especialidade, as equipas e criar as condições para a respetiva remuneração”. “A questão dos recursos humanos é sensível e temos vindo a resolver, mas os recursos humanos não se recrutam de um dia para o outro, ainda para mais numa área em que há um tempo de aprendizagem longo”, disse.

De acordo com Fernando Regateiro, até a resposta do CHUC estar consolidada, o hospital vai continuar a “trabalhar com o Centro Hospitalar e Universitário” do Porto, sempre que seja necessário dar resposta a algum dos doentes.

Questionado pela agência Lusa, o presidente do conselho de administração afirmou que espera que a resposta esteja completamente consolidada antes do final do primeiro semestre.

A reorganização da unidade, que considera ter sido “profunda”, consistiu “na separação da resposta pediátrica da resposta adulta”, em que a unidade de transplantação hepática tinha um “coordenador único”.

Agora, a resposta de transplantação hepática adulta fica integrada na cirurgia geral, unidade onde é criada uma unidade para estes casos, explicou.

Na área pediátrica, foi criado um departamento que engloba todas as respostas pediátricas, onde há também uma nova unidade de hepatologia e transplantação hepática pediátrica, esclareceu.

Com esta reorganização, a articulação entre transplantação de adultos e pediátrica é feita pela coordenadora do centro nacional de referência de transplantação hepática do CHUC, frisou Fernando Regateiro.