A polícia grega voltou a lançar gás lacrimogéneo esta quarta-feira contra migrantes e refugiados que tentavam entrar na Grécia pela fronteira com a Turquia, de acordo com os meios de comunicação gregos e a agência de notícias espanhola EFE.

A agência espanhola referiu que a situação esteve mais turbulenta, depois de na terça-feira ter estado mais calma.

Embora a polícia turca ainda não permita que os meios de comunicação se aproximem da fronteira, veem-se colunas de gás e ouvem-se explosões a um quilómetro da passagem da fronteira de Pazarkule, na área de onde há seis dias milhares de pessoas esperam por uma oportunidade de entrar em território da União Europeia (UE). Um grupo de migrantes tentou forçar a entrada através da passagem de fronteira de Pazarkule-Kastanies e as forças de segurança gregas usaram gás lacrimogéneo, segundo a estação pública grega ERT.

O Conselho de Administração da Frontex, agência europeia da guarda costeira, aprovou na terça-feira a intervenção rápida nas fronteiras externas da Grécia, feita a pedido das autoridades gregas devido ao fluxo de refugiados oriundos da Turquia. A decisão foi adotada numa reunião extraordinária do Conselho de Administração da Frontex, que é composto por representantes das autoridades de fronteira dos Estados-membros da União Europeia (UE) e de países associados a Schengen, além de dois membros da Comissão Europeia.

No encontro, realizado na terça-feira em Varsóvia, ficou então decidido que a Frontex vai “apoiar plenamente a Grécia na resposta à situação atual das suas fronteiras externas junto à Turquia e agir no espírito da solidariedade europeia”, referiu o organismo em comunicado. Isso significa que a agência vai avançar com a “intervenção rápida nas fronteiras solicitada pela Grécia e decidida pelo diretor executivo”, tal como anunciado na segunda-feira.

De acordo com a nota, na reunião, “os Estados-membros [que compõem a administração da Frontex] manifestaram prontidão” em colaborar nesta intervenção rápida, isto a nível de pessoal e de equipamento.

A Grécia enfrenta uma brutal pressão nas suas fronteiras externas com a Turquia, depois de o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, ter decidido “abrir as portas” aos refugiados que pretendem rumar à Europa, numa tentativa de garantir mais apoio ocidental na questão da guerra na Síria.