A Direção-Geral da Saúde (DGS) lançou esta sexta-feira um manual que, além de reforçar a importância das “boas práticas de higiene e segurança” para prevenir a Covid-19, sugere várias orientações para o consumo, planeamento e compra de alimentos.

Não existe propriamente uma relação entre a doença Covid-19 e a alimentação, contudo, há um conjunto de dúvidas que, quer a população, quer os profissionais de saúde têm colocado relativamente à alimentação”, afirmou esta sexta-feira Maria João Gregório, diretora do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável da DGS.

Em declarações à Lusa, a responsável explicou que foi com o objetivo de responder a estas questões que decidiram lançar este manual de orientação para a área da alimentação.

Subdividido em temas, o documento, que esclarece não existe transmissão através dos alimentos, sugere orientações para o planeamento e a compra de alimentos e seis passos para uma alimentação saudável em tempos de Covid-19.

De acordo com Maria João Gregório, a evidência científica indica que os alimentos “não são uma via de transmissão”, mas que são necessários reforços nas “boas práticas de higiene e de segurança”, especialmente no momento da compra dos alimentos.

Não vamos ficar fechados em casa, portanto não temos de ter uma preocupação acrescida em fazer a compra de muitos alimentos e açambarcar, mas temos de modificar o nosso comportamento na compra”, afirmou, adiantando que o manual recomenda a redução “da frequência da ida às compras e um maior planeamento”.

Além destas medidas, o documento propõe ainda um kit, isto é, indica os alimentos e quantidades que são necessárias para assegurar a alimentação durante um período de 15 dias. Os alimentos seguem as orientações da roda dos alimentos e a quantidade é deixada à consideração da população, uma vez que depende da “capacidade de armazenamento” de cada família.

Paralelamente, o manual propõe “seis passos para uma alimentação saudável”, tendo por base a necessidade de a população “manter as rotinas e os horários das refeições”, bem como o aproveitamento do tempo.

Como planear a ida às compras?

Primeiro é preciso fazer um planeamento, diz a DGS. E para esse planeamento antes de ir comprar alimentos deve saber fazer uma lista para esse período de duas semanas:

Uma lista de compras organizada – com todos os alimentos de que necessita, para evitar as idas frequentes ao supermercado, evitando açambarcamentos e ruturas de stocks;

Como organizar essa lista:

    • Verificar primeiro os alimentos que ainda tem disponíveis em casa;
    • Verificar a capacidade de armazenamento de acordo com temperatura de refrigeração e congelação;
    • Planear diferentes refeições que pretende fazer nesses 15 dias, assegurando a utilização dos alimentos que ainda tem disponíveis em casa e de modo a não esquecer todos os alimentos e ingredientes específicos e necessários;
    • Lembrar a importância de incluir maioritariamente alimentos que façam parte de um padrão alimentar saudável, ou seja, alimentos dos diferentes grupos da Roda dos Alimentos, respeitando as proporções recomendadas;
    • Planear comprar apenas aquilo que é necessário, sem exageros;

A DGS usa mesmo um pequeno quadro com estas indicações, para que seja mais fácil segui-las.

As indicações da DGS antes de ir às compras

Como fazer as compras e com que cuidados?

Seguem-se as indicações de como fazer as compras no supermercado e que cuidados ter:

Que produtos a comprar e ao que deve estar atento.

    • Verificar e cumprir a lista de compras, sempre que os alimentos que necessita estiverem disponíveis e comprar apenas o que precisa
    • Optar por alimentos que tenham um prazo de validade mais longo;
    • Garantir que o cesto de compras tem um bom equilíbrio entre alimentos com menor e maior durabilidade
    • Os alimentos com menor durabilidade podem ser adquiridos, contudo devem estar presentes em menor quantidade e deverão ser os primeiros a consumir;
    • Preferir alimentos de elevado valor nutricional em detrimento de alimentos com elevada densidade energética (ou seja, reduzir o consumo de alimentos que fornecem muita energia, mas poucos nutrientes);
    • Assegurar a compra de produtos frescos, como fruta e hortícolas, preferindo aqueles que apresentam uma maior durabilidade e/ou produtos congelados para o caso dos hortícolas e mediante a capacidade de armazenamento em casa.
    • Quando disponíveis, os serviços de entrega ao domicílio podem ser considerados como uma possibilidade.

Nas idas às compras eis as precauções que deve tomar para minimizar o risco de infeção para si e para os outros.

    • Evitar o manuseamento dos alimentos a não ser para colocar no carrinho de compras;
    • Cumprir as distâncias de segurança (manter-se a pelo menos a um metro de distância das pessoas);
    • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos;
    • Lavar bem as mãos antes e depois da ida às compras;
    • Adotar as medidas gerais de etiqueta respiratória (não usar as mãos ao tossir ou espirrar, usar um lenço de papel ou o antebraço).

O que poderá ter um kit alimentar para um período de isolamento para 14 dias?

A DGS criou um kit alimentar de 14 dias, o período que as pessoas devem estar em isolamento preventivo em caso de suspeita. O kit foi criado inicialmente para os profissionais de saúde e para quem dava apoio a pessoas que se encontram em vigilância ativa e adaptou-o agora à população em geral, sublinhando que se trata de algo meramente orientador mas que poderá ajudar numa ida às compras para um período mais longo que o habitual.

O kit contempla os alimentos a incluir e as respetivas quantidades, “baseando-se em cálculos com necessidades nutricionais médias diárias estimadas para a população portuguesa (2000 kcal, 20% proteína, 50% hidratos de carbono e 30% lípidos), e seguindo tanto quanto possível as recomendações da Roda dos Alimentos”. Ou seja, as quantidades indicadas são por pessoa para 14 dias, sendo depois necessário multiplicar (e adequar) aos restantes membros e necessidades dos membros da família. Ao longo do documento, a DGS insiste sempre na alimentação saudável e equilibrada, salienta a necessidade de reduzir o consumo energético porque as pessoas estão mais paradas em casa, e pede que se evite o excesso de açúcar e sal. Por isso sugere uma maior e mais atenta “leitura de rótulos” e o “consumo de produtos frescos”.

A primeira parte da lista das compras

E a segunda

A que alimentos deve ser dada preferência?

Nesta fase de confinamento em casa, ou quarentena, com menos exercício e mais tendência para “pestiscar”, a DGS pede especial atenção na escolha dos alimentos, até pela necessidade da sua conservação. Não é boa altura para deitar comida ao lixo.

Cereais

Segundo a DGS, “dos alimentos do grupo dos cereais e derivados e tubérculos”, o pão é uma boa opção se houver capacidade para o armazenar e — sobretudo — congelar. Mas também esclarece que não é difícil fazer pão e que se pode optar por comprar farinha e demais ingredientes para tal.

Pão, um bom alimento segundo a DGS

Frutas e legumes

Neste grupo de alimentos, a DGS explica que deve ser dada preferência aos que apresentam uma maior durabilidade, mas ao mesmo tempo devem ser privilegiados os produtos frescos. Nos legumes, aconselha cenoura, cebola, courgette, abóbora, brócolos, couve-flor, feijão-verde e alho. Os de “folha verde e o tomate, também poderão fazer parte da lista de compras mas em menor quantidade e deverão ser consumidos nos primeiros dias da quarentena”. Para a DGS, segundo a capacidade de cada um (ou seja, os congeladores lá de casa) os legumes congelados podem também ser uma boa opção.

Já na fruta, a DGS destaca maçãs, peras, laranjas e tangerinas. “Outras variedades com menor durabilidade podem ser também adquiridas mas em menor quantidade”.

Os legumes e frutas recomendados

Carne, peixe e ovos

Neste grupo de alimentos, a DGS destaca de longe os ovos como os “eleitos”, pela durabilidade, elevada riqueza nutricional e não necessitarem estar armazenados no frigorífico. As conservas de peixe também surgem como um dos produtos sugeridos para serem utilizadas em algumas das refeições e o peixe e carne podem ser comprados quer congelados quer frescos. No caso de serem frescos têm de ser consumidos nos primeiros dois/três dias. Outra indicação da DGS: depois de cozinhados, os alimentos conservam-se bem e com qualidade por um período de 3 dias no frigorífico.

Aqui estão as proteínas recomendadas

Feijão, grão, ervilhas, lentilhas

A DGS considera que podem ser usadas quer em conserva, quer secas e salienta que estas leguminosas têm proteínas de elevada qualidade, que podem ser alternativa à carne e ao peixe.

Uma boa alternativa ao peixe e à carne

Leite e iogurtes

No grupo dos lacticínios, a DGS lembra mais uma vez que quanto aos iogurtes depende sempre da capacidade de armazenamento de cada pessoa. O leite, já depende sobretudo do prazo de validade.

Capacidade de armazenamento e validade são aqui a chave

Água

Este é o produto sobre o qual a DGS não tem dúvidas: beba da torneira e evite comprar algo desnecessário.

Água? Da torneira

Outros alimentos

A DGS inclui ainda na lista artigos como tomate em lata, frutos secos (nozes, amêndoas…), manteiga/creme vegetal, compotas e café e define as suas qualidades.

Outras alternativas

6 passos para uma alimentação saudável em tempos de Covid-19

Uma das preocupações da DGS neste manual, é que as pessoas mantenham uma alimentação saudável. E por isso são recomendados seis passos essenciais:

Comer mais fruta e legumes: pelo menos sopa ao almoço e jantar e 3 peças de fruta.

Deve optar-se pelos legumes e as frutas de maior durabilidade, mas os congelados também são opção, porque mantêm as propriedades nutricionais.

Beber água ao longo do dia mas sem açúcar

A DGS alerta para a importância de manter um bom estado de hidratação e para isso é preciso beber por dia 1,5 a 1,9 litros de água (8 copos).

Usar feijão, grão e ervilhas

Numa altura de uso de muitos enlatados, a DGS sugere que se voltem a valorizar as leguminosas, que são “fontes de fibra e vários nutrientes importantes”.

Manter a rotina das refeições diárias, evitando snacks com excesso de açúcar e sal ao longo do dia

É o tal “petiscar” típico que acontece quando se está em casa, completamente desaconselhado pela DGS, que não quer que este período seja um estímulo ao consumo de alimentos super energéticos e de baixo valor nutricional. Snacks sim, mas só saudáveis.

Cozinhe de forma saudável com as crianças

Para a DGS, esta é uma oportunidade para usar o tempo livre e “ensinar os mais novos a cozinhar de forma saudável”.

O SARS-CoV-2 pode ser transmitido através dos alimentos?

É uma das perguntas que mais tem sido feita. E a DGS responde. “Segundo a Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) não existe, até ao momento, evidência de qualquer tipo de contaminação através do consumo de alimentos cozinhados ou crus“. Citando a EFSA, a DGS escreve que “a experiência dos surtos anteriores com coronavírus, nomeadamente com o coronavírus SARS-CoV e com o coronavírus MERS-CoV, mostram que a sua transmissão não ocorreu através do consumo alimentar”.

Também o European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC) sublinha que apesar de se “suspeitar que o novo coronavírus é de origem animal, a “transmissão ocorre pessoa e pessoa por contacto próximo com pessoas infetadas pelo vírus, ou superfícies ou objetos contaminados”.

Mas como a regra é prevenir, a DGS sugere depois o reforço das “boas práticas de higiene e segurança alimentar durante a manipulação, preparação e confeção dos alimentos”.

Os conselhos

Os conselhos

Os conselhos

Podemos reforçar o sistema imunitário através da alimentação?

Eis outra pergunta para um milhão, mas aqui a DGS também é clara em afirmar que “a evidência científica é escassa no que diz respeito à relação entre alimentação e o reforço do nosso sistema imunitário, não existindo nenhum alimento específico ou suplemento alimentar que possa prevenir ou ajudar no tratamento da Covid-19”.  Por isso, voltamos ao de sempre: “As boas práticas de higiene continuam a ser a melhor foram de prevenir a doença”.

Mesmo assim, há algumas recomendações: uma alimentação equilibrada com a presença de diferentes nutrientes, “como os fornecedores de energia (hidratos de carbono, proteínas e lípidos) e vitaminas e minerais (como as vitaminas A, B6, B9, B12, C e D e o cobre, ferro, selênio, zinco) e água”. Nutrientes que se conseguem encontrar quando se seguem as recomendações da Roda dos Alimentos. E, claro, a alimentação saudável, cujas orientações estão em https://www.alimentacaosaudavel.dgs.pt  e que são especialmente “relevantes para as adultos e crianças que estão em isolamento devido à Covid-19, pois são muitos os estímulos para um consumo alimentar excessivo”. Ou seja: bebidas açucaradas, doces e chocolates….

Aleitamento materno e Covid-19

Outra das questões que a DGS procura esclarecer é a da amamentação, dizendo que “até ao momento, não há evidência suficiente e inequívoca de que o vírus SARS-CoV2 possa ser transmitido pelas mães com Covid-19 através do leito materno”.

Maria João Gregório, diretora do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável da DGS, lembrou à Lusa  um estudo realizado a nove mães aponta que “o leite materno não é uma via de transmissão”.

A experiência que temos relativamente a outros vírus respiratórios também apontam nesse sentido, mas a verdade é que existe no momento da amamentação uma proximidade que pode colocar aqui alguns riscos. É necessário, mais uma vez, reforçar todas as precauções para que esta relação próxima possa acontecer com a maior das seguranças e as mães terão, naturalmente, de ser informadas sobre os riscos e benefícios e tomar uma decisão informada”, reforçou.

Nesse sentido, o documento sugere, por exemplo, a lavagem das mãos antes e depois de cada mamada, a utilização de uma máscara durante a amamentação e a desinfetação dos objetos e superfícies usados frequentemente.

O principal risco de amamentar é o contacto próximo entre a mãe e a criança, pois podem ser partilhadas gotículas infeciosas no ar, podendo levar à infeção na criança, tal como esclarece o texto “Covid-19: Gravidez e aleitamento materno” publicado pela Unidade de Doenças Emergentes do Serviço de Doenças Infeciosas do Centro Hospitalar Universitário de São João e a pela Unidade de Investigação em Epidemiologia (EPIUnit) do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP).

Ficam contudo vários conselhos para as mães que estão a amamentar

    • Lavar as mãos frequentemente com água e sabão durante, pelo menos, 20 segundos, antes e depois de cada mamada;
    • Usar uma máscara facial durante a amamentação;
    • Evitar tocar na boca, nariz e olhos da criança;
    • Limpar e desinfetar os objetos e superfícies usados frequentemente;
    • Se a mãe optar por extrair o leite com uma bomba manual ou elétrica, deve lavar as mãos com água e sabão antes de tocar em qualquer parte da bomba ou do biberão e seguir as recomendações para uma adequada limpeza e desinfeção da bomba após cada utilização;
    • Sempre que a mãe esteja muito doente, esta deve ser incentivada a extrair o leite e não dar diretamente à mama.

A alimentação dos idosos

Considerando que os idosos são um dos grupos de maior risco nesta pandemia de coronavírus, a DGS deixa várias sugestões quanto à alimentação dos mais velhos, para que não agravem o seu estado nutricional por estarem em isolamento nas suas casas.

Há orientações especifícas que são genericamente as  aconselhadas aos mais idosos

    • Diariamente devem ser consumidas duas porções de leite ou derivados (1 porção de leite = 240ml), nas refeições intercalares (lanches);
    • Devem ser consumidas 2 a 3 porções de fruta por dia (1 porção = 1 peça de fruta média);
    • Devem ser consumidas leguminosas (por ex. feijão, grão, ervilhas, lentilhas…) pelo menos 3 vezes por semana, por exemplo na sopa;
    • A sopa de legumes deve estar presente nas duas refeições diárias. É uma importante fonte de vitaminas e minerais e que pode contribuir para otimizar o estado de hidratação;
    • Deve ser incentivado o consumo de carne, peixe e ovos nas duas refeições principais (1 porção por refeição), de modo a assegurar uma ingestão proteica adequada, sendo que o peixe gordo deve consumido com uma frequência de 2 vezes por semana;
    • O incentivo ao consumo de frutos oleaginosos (por ex. amêndoas, nozes…), para aqueles que não apresentam dificuldades de mastigação deve ser também considerado (1 a 3 vezes por semana);
    • Considerando a diminuição do apetite que é comum nesta faixa etária e a alteração do paladar, devem ser feitas refeições frequentes ao longo dia e de menor volume (cerca de 5 a 6 refeições);
    • A manutenção de um bom estado de hidratação é essencial, situação que muitas vezes está comprometida devido à diminuição da sensação de sede nos idosos. A quantidade diária deve variar entre 1,5 a 2 litros de água, no mínimo, o que equivale a cerca de 8 copos de água. A oferta frequente de água e em pequenas quantidades ao longo do dia é essencial. As águas aromatizadas e as infusões podem ser opções a considerar, preferencialmente sem adição de açúcar.

Sabemos que o estado nutricional dos idosos muita das vezes não é o mais adequado, portanto, neste manual colocamos um conjunto de orientações relativamente à sua alimentação”, concluiu Maria João Gregório.