Não é fácil manter em casa, contra a sua vontade, um indivíduo, quanto mais uma nação com mais de 1300 milhões de pessoas. Mas decretar a quarentena total durante 21 dias foi a solução encontrada pelo Governo indiano para tentar controlar o avanço da pandemia do coronavírus, com o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, a defender ser necessário suportar estes 21 dias em casa, para evitar atrasar o país 21 anos.

A quarentena entrou em vigor a 25 de Março, mas rapidamente se tornou evidente que muitos automobilistas e, sobretudo, os condutores das motos, scooters e riquexós continuaram a deslocar-se de um lado para o outro como se nada tivesse acontecido. Num país como a Índia, é este tipo de veículos que assegura uma parte importante do transporte de pessoas e carga, necessárias para fazer funcionar a sociedade. Mas agora em claro desrespeito pelo distanciamento social decretado pelo Governo.

Se em Portugal, e no resto da Europa, a polícia intervém de forma mais informativa do que punitiva, na Índia as autoridades optaram por uma atitude mais musculada, com a ajuda de um pau. E um pau comprido para garantir que, mesmo durante a “interacção” com os infractores, é respeitado o distanciamento social.

Os vídeos das pauladas dos agentes da autoridade aos cidadãos indianos, se bem que resultem em algumas nódoas negras, parecem destinar-se mais ao vexame do que a provocar danos físicos. Um pouco à semelhança do que acontece com outras medidas a que os polícias locais recorreram, como por exemplo juntar cidadãos que se deslocavam pela via pública sem motivo e obrigá-los a fazer uma sessão de agachamentos em público, ou a esvaziar os pneus dos riquexós para obrigar os seus condutores a um esforço extra.