O Governo da Madeira determinou este sábado o estabelecimento de uma cerca sanitária na freguesia de Câmara de Lobos, a partir das 00:00 de domingo, para combater a propagação da covid-19, anunciou o líder do executivo regional.

Numa declaração sem direito a perguntas a partir da sede do Governo Regional, no Funchal, Miguel Albuquerque adiantou que a cerca sanitária naquela freguesia, no concelho com o mesmo nome, vai estender-se por um período de 15 dias. A hipótese já tinha sido admitida depois de se registarem 10 novos casos positivos no concelho, enquanto outras 40 pessoas aguardam os resultados dos respetivos exames laboratoriais.

“Esta declaração [da cerca sanitária] é feita tendo em conta aquilo estamos a prever: que possa aparecer um número inusitado de casos positivos nesta freguesia”, declarou o secretário regional da Saúde, Pedro Ramos, em videoconferência, no Funchal. O responsável sublinhou que o isolamento e o confinamento têm de ser rigorosos, face à pandemia de covid-19, admitindo a possibilidade de, no caso dos novos doentes, tal não ter ocorrido.

“Esta cerca sanitária é porque nós sentimos que aquela freguesia não cumpriu escrupulosamente e, por isso, temos a possibilidade do aparecimento inusitado de casos positivos”, disse.

Os novos casos de infeção correspondem a dez pessoas com residência na freguesia de Câmara de Lobos, no concelho com o mesmo nome, contíguo ao Funchal, a oeste. “São cinco pessoas do género masculino, cinco do género feminino, com faixas etárias variadas. Três crianças com idade inferior a dez anos, duas pessoas na faixa etária entre os 20 e 29 anos, três pessoas na faixa etária dos 30 anos, uma pessoa nos 50 e uma pessoa na faixa etária dos 60 a 69 anos”, explicou Bruna Gouveia, vice-presidente do Instituto de Administração da Saúde (IASAÚDE).

A responsável esclareceu que dois destes casos são importados – duas pessoas que regressaram à região vindos do continente, em março – e estão relacionados com os restantes oito, bem como com o caso referenciado na sexta-feira.

Segundo Albuquerque, a decisão foi tomada de acordo com a autoridade de saúde de Câmara de Lobos, com o parecer da Autoridade de Saúde Regional, a concordância do presidente da câmara e a anuência do representante da República. “A freguesia de Câmara de Lobos encontra-se em situação epidemiológica potencial de transmissão local avançada, com elevado risco de surgimento de cadeias de transmissão, quer a nível local, quer a nível regional”, afirmou.

A região já tinha anunciado várias medidas de combate à pandemia, como a obrigação de usar máscaras nos serviços de atendimento ao público, vem como a reabertura de algumas atividades industriais. A Madeira é uma das regiões do país com menor número de infetados por Covid-19, 64.

Uso de máscara obrigatório na Madeira em atividades de contacto com público

A Resolução do Governo determina que, com exceção do PIZO – Parque Industrial da Zona Oeste, “as entradas e saídas de pessoas e veículos na freguesia de Câmara de Lobos ficam condicionadas às exceções constantes da mesma”.

Enquanto decorrer a cerca sanitária na freguesia de Câmara de Lobos, “é interdita a circulação e permanência de pessoas na via pública, exceto para deslocações necessárias e urgentes nomeadamente para venda e aquisição de bens alimentares e farmacêuticos, acesso a unidades de cuidados de saúde, acesso ao local de trabalho situado na freguesia de Câmara de Lobos, assistência a cuidados de idosos, menores, dependentes e outras pessoas especialmente vulneráveis”.

É imposto ainda o encerramento de todos os serviços públicos nacionais, regionais ou municipais, exceto centros de saúde, forças de segurança, serviços de socorro, comunicações e abastecimento de água e energia, finanças e Câmara Municipal.

O documento impõe também o encerramento dos estabelecimentos comerciais, exceto os do setor alimentar, farmácias, bancos, postos de abastecimento de combustíveis e outros que venham a ser especificados em resolução do Conselho Governo.

“Esta é uma medida difícil, mas em nome da saúde pública o Governo toma esta medida de forma consciente e determinada”, sublinhou Miguel Albuquerque.