O coordenador do combate à pandemia na região Norte garante que a prioridade agora é testar os profissionais de lares e que há um compromisso em realizar a totalidade dos testes nos lares de idosos até ao final da próxima semana. Esta atenção surge particularmente por serem “os profissionais quem entra e sai das instituições e quem pode transportar o vírus”, sublinha Eduardo Pinheiro.

Em entrevista ao “Direto ao Assunto”, da Rádio Observador,  referiu que, à data de ontem, pelo menos um terço dos utentes e dos profissionais destas instituições da região Norte já tinham sido testados, numa altura em que os lares de idosos têm merecido maior atenção pelo elevado número de infetados.

Contudo, recorda que realizar testes não é suficiente, já que “um teste negativo hoje pode ser um teste positivo amanhã”. “É determinante que as instituições tenham planos de contingência”, acrescenta.

Horários alternados para evitar concentrações nas estradas

Num momento em que o país se prepara para pôr fim ao estado de emergência, Eduardo Pinheiro, que também é Secretário de Estado da Mobilidade, assume a possibilidade de haver horários alternados, que permitam que não haja grandes concentrações em horas de ponta. “Nós temos capacidade para impedir esses aglomerados”, disse à Rádio Observador.

O governante explica que “não vamos voltar ao dia 1 de fevereiro” dizendo que os próximos meses vão ser diferentes nos transportes. Eduardo Pinheiro aponta para a confiança dos utentes como um dos desafios: “Temos de ganhar a confiança das pessoas em relação aos transportes públicos. É preciso garantir que as pessoas tenham segurança, proteção, enquanto não houver vacina”.

Questionado pelo painel das “Manhãs 360” da Rádio Observador sobre futuros episódios de autocarros lotados, quando agora se pede distanciamento social, responde: “Havendo episódios, não será generalizado. Teremos a capacidade para monitorizar”.

Eduardo Pinheiro disse ainda já ter esclarecido tudo com Hernâni Dias. Nesta segunda-feira, o presidente da Câmara Municipal de Bragança acusava-o de ter “falta de consideração” por não ter estado presente numa reunião por videoconferência com a Comissão Distrital de Proteção Civil e não poupou críticas.

“Como é que, vivendo um momento tão crítico e tão duro para a nossa vida enquanto sociedade, como é possível que, ao fim de quatro dias, o Secretário de Estado não tenha agenda para uma reunião com o distrito de Bragança? O que se pode esperar desta coordenação nomeada pelo primeiro-ministro?”, questionou Hernâni Dias.

Eduardo Pinheiro confirmou ter falado com o autarca de Bragança e explicou-se: “O que aconteceu foi que me foi pedido para estar numa reunião no sábado de manhã. Comuniquei que a essa hora teria já uma reunião marcada, mas optaram por realizá-la na mesma”.

[Eduardo Pinheiro esteve no “Direto ao Assunto” da Rádio Observador]

“Não faltei a nenhuma reunião”. A entrevista ao Secretário de Estado da Mobilidade

“Eu entendo isso como um mal entendido. Se o presidente da câmara de Bragança tivesse tido a oportunidade de falar comigo ou com o presidente da câmara de Mogadouro, teria entendido a situação. Teria poupado as afirmações que fez”, sublinha.