O presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) disse hoje que o Governo está a estudar a melhor forma de o pequeno comércio, cabeleireiros começarem a abrir de forma escalonada a partir de 4 de maio, dois dias depois do fim do atual estado de emergência.

“O que está previsto neste momento é estudar a hipótese de alguns estabelecimentos abrirem de forma escalonada a partir de 4 de maio. Ou com um escalonamento semanal ou quinzenal até ao final de maio”. “Há já diversos setores que definiram ou estão a estudar regras, nomeadamente o setor automóvel, cabeleireiros, institutos de beleza e cuidados corporais é preciso. Foi essa a mensagem que ficou, que haja regras claras para que haja contenção, quais os estabelecimentos que abrirão. Nalguns setores serão – numa fase inicial, e no que toca ao comércio – os de dimensão mais pequena”, disse João Vieira Lopes à saída de um encontro com o primeiro-ministro.

No entanto, salientou, a decisão final sobre esta abertura apenas virá a 30 de abril: primeiro realiza-se, em 28 de abril, a habitual reunião no Infarmed sobre o ponto da situação da evolução da pandemia (com o Presidente, os partidos políticos e especialistas), depois seguem-se reuniões com os parceiros sociais, em reunião de concertação social, a 29 de abril e no dia seguinte haverá uma decisão final. “É esse o calendário”.

João Vieira Lopes disse que o setor e os membros do Governo estão a olhar para as experiências seguidas por outros países europeus.  “Diversos países tomaram atitudes diferentes. Não há neste momento ainda uma posição fechada por parte do governo, mas trocámos impressões que poderão ajudar o governo a tomar essa decisão”, disse o responsável.

Na Europa, disse João Vieira Lopes, “há três modelos diferentes que estamos a olhar dia-a-dia”. O primeiro é da República Checa, país que decidiu começar a abrir as lojas de até 200 metros quadrados, passado algum tempo as de 400 metros quadrados e depois as lojas em geral.

O segundo caso é da Áustria, que começou inicialmente por abrir as lojas até 400 metros quadrados e depois, passado algum tempo, as lojas maiores.

O terceiro caso, disse o presidente da CCP, é da Alemanha que, tendo em contas as características do seu setor comercial, começou logo por abrir as lojas até 800 metros quadrados.

“Trocámos impressões sobre as vantagens e desvantagens, mas será uma decisão do governo”. A principal questão que se põe, salientou o responsável é assegurar as “as condições de segurança para a saúde pública”.

Após as declarações de João Vieira Lopes, o primeiro-ministro, António Costa, confirmou que no próximo Conselho de Ministros, em 30 de abril, serão decididas as normas de desconfinamento para os setores de atividade e que entrarão em vigor de 15 em 15 dias.

Ou seja, os setores vão abrir progressivamente, a 4 de maio, 18 de maio e 1 de junho. Costa sublinhou que o governo tem estado a trabalhar com todos os setores as condições para ir aliviando as regras de contenção. Mas não adiantou que setores vão abrir em que dias. João Vieira Lopes também tinha dito que as datas e os setores que vão começar a abrir não foram ainda definidos.