Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Com a abertura gradual da economia, face ao surto do novo coronavírus, os vários serviços de atendimento ao público estão a redefinir grande parte da forma como trabalham, tendo em conta as novas exigências de maior segurança e higiene nos espaços. Foi para garantir que todas as regras e procedimentos exigidos pela Direção-Geral de Saúde (DGS) estão a ser cumpridos que surgiu a Go Fight Covid-19, uma plataforma online que permite recolher o feedback dos clientes relativamente às regras do atendimento ao público.

Desenvolvida pela Out of Limits Lda. — e parte da marca Go Rate — a plataforma “vem satisfazer a urgente necessidade do aumento da eficácia das medidas de segurança impostas pela DGS, aumentando a confiança dos portugueses em espaços públicos”, refere em comunicado. Como? Recolhendo o feedback dos clientes em dois formatos: através de um QR Code no telemóvel ou através de um tablet. A partir destes aparelhos são colocadas questões relacionadas com os procedimentos sanitários e de segurança do estabelecimento, como por exemplo “a avaliação da disponibilidade de solução desinfetante, cumprimento do distanciamento social e existência de proteção individual adequada”.

Depois de dar o seu feedback, explica a empresa, o cliente vai ter acesso, em tempo real, a uma página para analisar os dados recolhidos e perceber qual a classificação geral do estabelecimento, os principais problemas que os clientes reportaram, consultar alertas e perceber os procedimentos de controlo que são seguidos. A Go Fight Covid-19, disponível em português e inglês, permite ainda “a integração de soluções de medição de temperatura e do número de pessoas presentes num determinado espaço”.

A plataforma Go Fight Covid-19 permite ao cliente avaliar, através do telemóvel ou tablet, o cumprimento das regras de segurança e higiene de um estabelecimento. Há também a hipótese de controlar a lotação do espaço

Agora, mais do que nunca, é importante trabalhar ferramentas que se tornem parceiras dos negócios, que os permitam criar um dia a dia mais próximo possível da realidade antes da epidemia. E, para isso, é preciso assegurar que as pessoas que trabalham ou visitam esses espaços se sentem seguras”, explica Ismael Pacheco, cofundador da Out of Limits, citado em comunicado.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Do lado dos estabelecimentos que vão utilizar a plataforma, a empresa refere vantagens como uma tomada de decisão baseada em dados em tempo real, o controlo de procedimentos, uma melhoria da experiência do cliente e ainda a garantia de que os limites de ocupação e as regras de segurança estão a ser cumpridos. Os preços desta plataforma dependem do serviço que os estabelecimentos querem utilizar.