A Uber vai despedir cerca de 3.700 pessoas, ou seja, cerca de 14% de todos os funcionários que tem a nível mundial, devido ao impacto que o novo coronovírus está  ater na operação da empresa. Como avançou o Business Insider, a plataforma de mobilidade justificou o despedimento às autoridades dos EUA devido ao número reduzido de viagens que tem tido.

Devido ao menor volume de viagens no segmento de viagens, e ao atual congelamento de contratações da empresa, a empresa está a reduzir as suas equipas de apoio ao cliente e de recrutamento”, justifica a Uber.

Em resposta ao Observador, fonte oficial Uber disse: “Com as pessoas a fazer menos viagens, infelizmente não há trabalho suficiente para muitos dos nossos colaboradores das áreas de apoio ao cliente. Como não sabemos quanto tempo irá levar a recuperação, estamos a tomar medidas para alinhar os nossos custos com a dimensão atual dos nossos negócios. Foi uma decisão difícil mas é a correta para ajudar a proteger a sustentabilidade da empresa a longo prazo e garantir que saímos desta crise mais fortes.”

Quanto ao impacto que a medida pode ter em Portugal, a Uber diz que não comenta impacto de cada mercado. “Mas podemos confirmar que vai impactar todos os mercados.”

As notícias de um possível layoff na Uber já eram faladas desde a semana passada, com o anúncio da saída do diretor de tecnologia, Thuan Pham, da empresa. Quando nesta terça-feira se confirmaram os rumores, Dara Khosrowshahi, o presidente executivo da Uber, revelou num e-mail enviado aos funcionários que vai abdicar do seu salário base de um milhão de dólares (cerca de 925.9 milhares de euros) até ao final deste ano.

Diretor de tecnologia da Uber sai da empresa e pode haver lay-off

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os planos para este layoff vão decorrer nas próximas duas semanas , refere o Business Insider citando uma fonte da empresa. Este despedimento em massa vai custar à Uber cerca de 20 milhões de dólares em compensações. Na semana passada, confrontada com possíveis despedimentos, a equipa internacional da Uber referia: “Como seria de esperar, a empresa está a analisar todos os cenários possíveis para garantir que chegamos ao outro lado da crise numa posição mais forte do que nunca“.

Dara Khosrowshahi, afirmou recentemente que as receitas brutas, pelo menos nos EUA, desceram mais de 70%, e que o aumento de pedidos pelo UberEats, o serviço de entrega de comida da Uber, não compensa as perdas que se têm feito sentir.