O futuro da fábrica principal da Nissan em Barcelona, bem como as duas outras que os japoneses possuem na Catalunha, satélites da primeira, tem os dias contados. O jornal japonês Kikkei – e a imprensa nipónica não é tão livre e isenta quanto a europeia, tal como a justiça – garante que a decisão, apesar de apenas ser anunciada a 28 de Maio, já está tomada: redução de 20% das vendas na Europa no próximo ano e um corte de 2,5 mil milhões de euros, o que inclui o fecho das fábricas de Barcelona.

Após esta fuga “controlada”, a Catalunha – região espanhola que ainda há meses se arvorava em ser das mais ricas de Espanha, a ponto de requerer a independência, mas que está cada vez mais pobre e com mais desemprego – sentiu necessidade de reagir.

Os sindicatos manifestaram uma súbita vontade de negociar, um pouco à semelhança do Governo regional. Os mesmos que semanas antes achavam normal as suas três fábricas laborarem a apenas 27% da capacidade, produzindo somente o furgão Nissan eNV200, além das pick-up Nissan Navara, Renault Alaskan e Mercedes Classe X, que entretanto já anunciou que iria ser retirada do mercado até final de Maio.

Mercedes não vende Classe X e vai acabar com ela

A Nissan anunciará a decisão final a 28 de Maio, quando o construtor japonês revelar a estratégia para o futuro, que passa por reduzir a produção global de 7 milhões de veículos para apenas 5. Nessa altura, segundo o Nikkei – e as suas fontes raramente falham – a magra fabricação de Barcelona irá passar a ser assegurada pelas fábricas francesas da Renault, o que será bom para a marca francesa da Aliança, por representar mais um encaixe, e bom para a estratégia da Nissan, que assim deixa para trás 4200 trabalhadores directos e mais de 10.000 indirectos, segundo o El Mundo.

Espera a Nissan que, com este “sacrifício” das fábricas de Barcelona, possa salvar a sua principal fábrica europeia em Sunderland, no Reino Unido, ainda que o futuro desta dependa das taxas que os veículos aí produzidos tenham de pagar à entrada dos mercados da União Europeia, após o Brexit.

Dentro de menos de duas semanas saberemos mais pormenores sobre a estratégia da Nissan.