Pelo menos 70 trabalhadores da empresa de logística Sonae, localizada no concelho de Azambuja, distrito de Lisboa, testaram positivo à Covid-19, noticia esta quinta-feira a TVI, depois de na quarta-feira o presidente da câmara da Azambuja já ter confirmado a existência de um surto nas instalações.

Em declarações à Lusa na quarta-feira, o autarca referiu que os 800 trabalhadores que trabalham no entreposto da Azambuja da Sonae Mc estão a ser testados ao novo coronavírus, tendo sido até àquele momento detetados 40 casos positivos. Esta quinta-feira, soube-se que pelo menos mais 30 casos haviam sido diagnosticados.

“Segundo me disseram, os testes poderão ficar concluídos amanhã (quinta-feira)”, adiantou Luís de Sousa.

Entretanto, numa resposta escrita enviada à Lusa, fonte da Sonae MC ressalvou que a empresa já implementou um conjunto de medidas para “minorar este problema”, nomeadamente o desfasamento dos horários dos turnos e a duplicação de autocarros que transportam os trabalhadores até ao armazém.

“Apenas um terço dos nossos colaboradores usa comboios e já estamos a reforçar, há várias semanas, o serviço de autocarros”, adianta a empresa.

Além destas medidas, a Sonae está a medir a temperatura a todos os trabalhadores “antes de darem entrada em qualquer instalação dos entrepostos” e reforçou a entrega de máscaras e a higienização das instalações e veículos de transporte de mercadorias.

Por seu turno, em declarações à Lusa, o dirigente do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), Ricardo Mendes, defendeu uma abrangência maior dos testes.

“A Sonae está agora a seguir uma série de recomendações que nós já fizemos há muito tempo, mas ainda são insuficientes. É necessário que sejam testados os cerca de 3.000 trabalhadores que fazem parte de todos os setores da Sonae na Azambuja e que seja alargado o transporte e o número de máscaras que é distribuído“, defendeu.

A Sonae é a segunda empresa da Plataforma Logística de Azambuja onde foi detetado um número significativo de casos da Covid-19.

No dia 2 de maio, a empresa de produtos alimentares Avipronto fechou provisoriamente depois de terem sido detetados 38 casos positivos de infeção pelo novo coronavírus entre os funcionários.

Após os 300 funcionários da empresa serem testados, foram detetados 101 casos positivos.

Entretanto, a empresa retomou no dia 11 a laboração com cerca de 30 trabalhadores, divididos em dois turnos.

Na zona industrial Vila Nova da Rainha/Azambuja operam cerca de 230 empresas empregando um total aproximado de 8.500 trabalhadores, muitos dos quais utilizam o comboio.

Em Portugal, morreram 1.263 pessoas das 29.660 confirmadas como infetadas, e há 6.452 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Artigo atualizado às 13h de quinta-feira depois da notícia da TVI sobre o aumento do número de casos diagnosticados. Este número era de 40 na quarta-feira e subiu para 70 esta quinta-feira.