António Costa visitou esta manhã o Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, para dar um sinal: os aeroportos estão prontos para aumentar a atividade em segurança. O dia 15 de junho vai ser o dia zero para o turismo e a aviação, com o primeiro-ministro antecipar que será esse o dia em que serão “reativadas rotas, abertas fronteiras” e que toda a União Europeia “vai fazer um esforço para que o turismo retome a sua atividade em pleno”. António Costa deixou ainda uma vez mais a garantia de que, mesmo com a crise, “o futuro vai contar com o Novo Aeroporto do Montijo”.

António Costa disse que Portugal foi, é e “continuará a ser um país aberto ao mundo”. O primeiro-ministro não tem dúvidas de que o que se seguirá a “esta crise conjuntural”, seja “de uma forma mais rápida ou mais lenta” será “o retomar das pessoas poderem livremente circular à escala global”. E nessa retoma é muito importante que o país esteja preparado, incluindo os aeroportos nacionais onde coloca um selo de garantia de eficiência: “Os aeroportos nacionais estão prontos para acolher o tráfego aéreo com toda a normalidade”.

O primeiro-ministro quis ainda elogiar o facto de o grupo Vinci não recuar na intenção de construir um novo Aeroporto para a região de Lisboa. “Num momento de grande incerteza, em que a esmagadora maioria dos aviões e em que o tráfego aéreo caiu drasticamente, o compromisso firme da Vinci de afirmar: ‘Vamos avançar com o novo Aeroporto de Lisboa’, é um gesto de grande confiança naquilo que é o futuro do país”, enalteceu o primerio-ministro. Costa admite que “o futuro será diferente do passado”, mas reitera que “o futuro vai contar com o novo Aeroporto do Montijo”.