Iker Casillas deve desistir da candidatura à presidência da Real Federação Espanhola de Futebol. De acordo com a Onda Cero, que avança a notícia, o guarda-redes espanhol sente que já não consegue recuperar da desvantagem para o atual presidente e recandidato Luis Rubiales.

A emissora espanhola adianta ainda que Casillas acredita que não tem tempo para se preparar em tempo útil — até por estar no Porto, em Portugal, e não de ter possibilidade de realizar reuniões presenciais em Espanha até ao início do mês de julho, data em que a fronteira entre os dois países deve reabrir. Nas motivações do elemento do FC Porto está ainda a data das eleições para a presidência da Federação, 17 de agosto, onde Casillas defende o adiamento devido à pandemia de Covid-19. De recordar que a data das eleições é um tópico controverso desde o início das movimentações eleitorais: Rubiales chegou a estudar uma antecipação, para encurtar o tempo que um eventual adversário teria para fazer campanha e reunir apoios, e Casillas sempre defendeu que estas fossem marcadas o mais tarde possível, para montar um projeto credível e ser um sério candidato à vitória.

Casillas é candidato à liderança da Federação Espanhola de Futebol

De recordar que Iker Casillas anunciou oficialmente a candidatura a meio do mês de março, depois de várias semanas de especulação na imprensa espanhola. O anúncio foi feito pelo próprio antigo internacional espanhol, através das redes sociais. “Sim, vou apresentar-me à presidência da RFEF [Real Federação Espanhola de Futebol], quando as eleições forem convocadas. Juntos vamos colocar a nossa Federação à altura do melhor futebol do mundo: o de Espanha”, lia-se na publicação, que tinha ainda a hashtag #IkerCasillas2020.

Antes, já tinha sido notícia que Casillas, de 38 anos, a viver no Porto onde continua a trabalhar com o grupo de trabalho comandado por Sérgio Conceição (embora num regime diferente), tinha reunido em fevereiro e março com alguns dos seus antigos companheiros de seleção no sentido de perceber as suas opiniões sobre a candidatura. Carles Puyol e Andrés Iniesta, ambos antigos capitães do Barcelona, foram dois exemplos. Mediante isso, Casillas decidiu que, com mais ou menos apoios, seria sempre rival do atual presidente da Federação, o polémico Luis Rubiales – que da má gestão desportiva dos casos Lopetegui e Luis Enrique/Moreno à guerra aberta com o líder da Liga, Javier Tebas, passando por outros casos internos, tem estado no olho do furacão.

“Iker for president”. Casillas avança para liderança da Federação – e com isso irá anunciar final da carreira

Confirmando-se a candidatura, confirmou-se também o final da carreira de jogador de Iker Casillas, que depois de passar um quarto de século desde o início da carreira até aos 33 anos no Real Madrid se transferiu em 2015 para o Estádio do Dragão. Algo que, em algumas ocasiões em que chegou a ser ventilado, o guarda-redes foi sempre negando, mostrando-se sobretudo focado na total recuperação física depois do grave problema a 1 de maio. Antes do ex-internacional, também o nome de Mariano Rajoy chegou a ser levantado como figura capaz de gerar consensos para derrubar Rubiales, um plano que o próprio antigo primeiro-ministro recusou.